Causas de suicídio, entenda por que alguém deseja se matar

Equipe Eurekka

O suicídio ainda é um tema muito delicado e pouco debatido em nossa sociedade. E quebrar esse tabu é vital. Afinal, a falta de conhecimento das causas do suicídio e o medo de enfrentar essa realidade pode ter consequências definitivas. 

Muitos fatores podem ser vistos como causas de suicídio. Há questões físicas, culturais, de ordem econômica e social. Há também fatores biológicos e uma infinidade de situações que afetam a saúde mental.

E é por isso que nós trouxemos esse material com as causas mais comuns do suicídio, para que assim você possa ficar atento à sua saúde mental e também prestar mais atenção nas pessoas próximas à você. Vamos lá?

Quais as causas de um suicídio?

O suicídio é uma questão muito delicada e que envolve muitos fatores. E, como falamos acima, não existe apenas uma causa, mas várias. De modo que, até mesmo em um ato de desespero impensado a pessoa pode vir a cometer o suicídio.

Por isso, é necessário entender que o suicídio não está ligado à falta de fé ou covardia, mas sim à uma tentativa de acabar o sofrimento e o desespero. Então, confira agora as causas mais comuns para que isso aconteça.

Transtornos Psiquiátricos

Alguns transtornos como depressão, esquizofrenia, transtorno afetivo bipolar ou de personalidade, abuso de drogas e outras substâncias são exemplos de disfunções que merecem um olhar atento, ainda mais se houver mais de um diagnóstico. Pois eles podem sim ser causas de suicídio.

Com isso, podemos ver que os fatores psiquiátricos que levam ao suicídio variam de pessoa para pessoa. Sendo assim, é importante que todos que apresentem algum sinal de transtorno busquem apoio do psicólogo através da terapia.  

Mas vale lembrar que é mito a ideia de que apenas pessoas com transtornos psiquiátricos têm ideias suicidas. Recorrer ao suicídio indica uma tristeza profunda, mas não é um indicativo de problemas psiquiátricos, afinal, há pessoas que se suicidam e não têm transtorno mental. 

Assim como muitas pessoas têm transtornos mentais, mas não têm comportamento suicida. 

causas de suicídio entre os jovens

Idade, gênero ou raça

Segundo pesquisas promovidas pela Fiocruz, o suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos.

No geral, as motivações estão relacionadas aos desafetos, mal estar emocional, situação de vulnerabilidade, insatisfações com o corpo, problemas na família e com o parceiro romântico, abuso sexual, bullying, cobranças escolares, abuso de drogas e álcool, e a exposição em redes sociais.  

Outro ponto importante é que, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, a cada 10 jovens que tiram a própria vida no Brasil, seis são negros. Entre  2012 e 2016, a taxa de suicídio entre pessoas brancas na faixa etária de 10 a 29 anos permaneceu estável. No entanto, essa estabilidade não se mantém quando olhamos para a população negra.

Assim, podemos ver que racismo é um agravante da saúde mental das pessoas negras. O sentimento de inferioridade, a falta de um lugar social, rejeição e negligência são fatores que prejudicam a saúde mental desta população, que corresponde a mais de 50% do total da população brasileira.

Outro dado, disponibilizado pela Associação Brasileira de Psiquiatria, é que a morte por suicídio é três vezes maior entre o público masculino. Mas a taxa de tentativas de suicídio é maior entre as mulheres. 

Acredita-se que essa diferença está relacionada às redes de apoio que as mulheres constroem ao longo da vida. Enquanto os homens têm dificuldades para buscar apoio para falar sobre seus sentimentos ou questões relacionadas à saúde mental.

Também não podemos esquecer que os conflitos relacionados à identidade sexual, também podem ser causas de suicídio. Questões como maior aceitação social e a discriminação e violência sofridas, são alguns dos motivos de suicídio entre o público LGBTQIA+.

Trabalho

Existem os aspectos individuais, cujas questões emocionais mais evidentes são: a Síndrome de Burnout, depressão, ansiedade, estresse, desequilíbrio emocional, sofrimento psíquico, abuso de álcool e substâncias e os transtornos psiquiátricos. 

Pensando ainda nos aspectos individuais, temos na categoria comportamental: a  privação de sono, fragmentação de identidade, vontade de acabar com a dor, uso excessivo de remédios e a impulsividade. Além do cansaço, desempenho profissional prejudicado e as preocupações financeiras.  

Quando observamos os aspectos organizacionais, a sobrecarga de trabalho e de informações, a ausência de reconhecimento, a baixa autonomia, o foco excessivo na produtividade e o próprio clima social na empresa podem adoecer as pessoas. 

A relação com os gestores e a perda do sentido do trabalho também são fatores que devem ser observados.

doenças podem ser causas de suicídio

Dores crônicas e doenças clínicas não psiquiátricas

Imagine a pior dor que você já sentiu. Agora imagine sentir o tempo todo essa dor. Pois é, algumas pessoas com doenças terminais encontram no suicídio uma saída para acabar com o sofrimento. 

Um alerta importante é saber se existe algum transtorno psiquiátrico, como depressão ou abuso de substâncias, além de uma doença terminal.

Mas, mesmo que não exista, qualquer ideação suicida deve ser levado em conta quando estamos diante de alguém com câncer, HIV, doenças neurológicas, como esclerose múltipla, mal de Parkinson, doença de Huntington e epilepsia. 

Também diante de algumas doenças cardiovasculares. Como infarto agudo do miocárdio e acidente vascular encefálico, doença pulmonar obstrutiva crônica; além de doenças reumatológicas, como o lúpus. Nestas situações, o risco maior está na descoberta do diagnóstico e também nas situações em que os sintomas não desaparecem mesmo com o tratamento da doença.

O mesmo vale para pessoas com dores crônicas. Se houver algum transtorno psiquiátrico envolvido, o risco de suicídio pode ser maior.

História familiar e genética

Existe um aumento do risco de suicídio para pessoas que tiveram na família alguém que tentou ou veio a óbito por causa do suicídio. 

Alguns estudos afirmam que existe uma causa genética para explicar o suicídio, mas de acordo com um estudo internacional, divulgado em 2021 aqui no Brasil, foram identificados dois pontos no genoma que podem aumentar o risco de uma pessoa cometer suicídio.

No entanto, ainda é muito cedo para afirmar qualquer coisa, pois o teste precisa ser aplicado em muito mais pessoas. Sem falar que existem outros pontos do genoma que precisam ser avaliados.

Abuso ou maus tratos

Maus tratos, abuso físico, verbal, sexual e outros podem aumentar o risco de suicídio. 

Pensando nas crianças e adolescentes, é importante que os responsáveis e toda comunidade que participa da vida desses jovens observem se há mudanças bruscas no modo de agir deles.

Também é importante notar se há abuso ou dependência de substâncias associadas à depressão, desempenho escolar pobre, conflitos familiares, incerteza quanto à orientação sexual, ideação suicida, sentimento de desesperança e à falta de apoio social. 

Coisas do dia a dia que podem ser causas de suicídio

Prever as situações que podem causar suicídio é muito difícil. Pois, ao mesmo tempo que é uma decisão individual que ocorre num momento de profundo sofrimento, é também um ato causado por fatores externos, Ou seja, muitas coisas relacionadas ao dia a dia podem gerar o desejo de não estar mais no mundo.

Assim, listamos abaixo os mais comuns. Mas sempre que houver uma mudança no modo de agir ou falas que remetem a algum tipo de despedida, é necessário buscar ajuda de um profissional da saúde mental.

Brigas com a família

Uma das principais características da família é ser nossa base de segurança. Por isso, conflitos constantes no ambiente familiar pode ser uma das causas do suicídio.

Viver em isolamento

Morar sozinho pode aumentar o risco de suicídio. No geral, pessoas divorciadas ou que nunca se casaram apresentam um risco maior.

Aposentados e terceira idade

A aposentadoria pode ser marcada por um sentimento de inutilidade. A saída dos filhos de casa, a perda de pessoas, a desvalorização do idoso, a falta de mobilidade e autonomia podem causar depressão e o suicídio pode aparecer como consequência. 

No geral, o método utilizado por eles é definitivo. Em pessoas idosas, raramente o suicídio é idealizado por impulso.

Problemas financeiros

Pessoas com problemas financeiros e ou que foram despedidas devem ser observadas com atenção. Porque, no geral, os três primeiros meses da mudança da situação financeira são os mais difíceis. 

Também pode acontecer um aumento nos casos de suicídio, quando há recessão econômica. 

Se sentir sem esperança ou em desespero

Às vezes, acreditamos que pessoas que vemos como modelos de sucesso são felizes o tempo todo e não passam por situações de dor ou desespero. 

O pensamento “isso só acontece comigo” fica rondando o tempo todo pela cabeça, como se as coisas ruins só acontecessem com ela e as coisas maravilhosas com os outros. Mas essa é uma grande cilada, afinal, ninguém é feliz o todo todo

Todo ser humano passa  por situações difíceis, porém alguns deixam que isso transpareça e outros nem tanto. A ideia de que a grama do vizinho é mais verde deixa o nosso pensamento mais rígido. E essa é uma forte característica e umas das causas do suicídio. 

A pessoa deixa de acreditar em si, acha que tudo de bom só acontece com os outros, não consegue olhar para si com mais gentileza e se frustra. Chegando assim à tentativa de suicídio. 

Como resolver essas causas do dia a dia

Então, um dos primeiros passos para alguma mudança é falar sobre. É muito importante ter amigos e familiares para expressar seus sentimentos mas é muito necessário que a terapia também esteja presente nesse processo.

Pois, por mais que as pessoas próximas queiram ajudar e até tragam um certo conforto, apenas o psicólogo ou o psiquiatra são pessoas habilitadas para identificarem e tratarem os sintomas. 

Por exemplo, se você sente dores fortes de cabeça todos os dias, você procura um clínico geral ou um neurologista, certo? E a sua saúde mental deve ser tratada da mesma forma. Ao perceber que sua mente não está legal, procure já um profissional para ajudar você a passar por essa situação.

Por isso, caso você, ou alguém que você conheça, precise de ajuda, clique no banner abaixo e saiba como marcar uma conversa inicial.

banner terapia

Como previnir o suicídio? 

Como falamos acima, a terapia é sempre a melhor ajuda. Mas no seu dia a dia há pequenas ações que previnem sim o suicídio. Confira só!

Apoio da família e dos amigos

As relações sociais são muito importantes para a saúde mental. Afinal, nós somos seres sociáveis.

Por isso, tente sempre manter o contato com pessoas que fazem bem para você. Marque encontros semanais com amigos queridos, vá para lugares aconchegantes que você goste, passe um  tempo de qualidade com a família.

Se inserir em algum grupo

Participar de atividades em espaços de promoção de saúde, seja no seu bairro ou um pouco mais distante, buscar grupos de autoajuda, associações ou ONGs são formas de promover qualidade de vida.

Existem, também, opções de psicoterapias em grupo, gratuitas ou em clínicas particulares.

Além disso, participar de um grupo pode ser: fazer academia com um amigo, ter um hobby partilhado, clubes de leitura, encontros frequentes com amigos e muito mais!

estilo de vida saudável

Estilo de vida saudável

A prática de atividade física regular reduz as tentativas de suicídio porque essas práticas liberam substâncias que melhoram o humor e aumentam a autoestima, como, por exemplo a endorfina. Além disso, essa prática diminui a insônia e a ansiedade.

As coisas parecem mais difíceis ou estressantes quando estamos cansados, com fome ou com a consciência alterada. Por isso, é fundamental tentar descansar, se alimentar de forma saudável e não abusar de álcool ou outras drogas.

Terapia e psiquiatria

Para pessoas em risco de suicídio, é necessário intervenções em vários níveis. Desde a farmacoterapia, psicoterapia, psiquiatria e, às vezes, hospitalização e medidas psicopedagógicas.

Sendo assim, a  busca pelo profissional correto garante um atendimento mais comprometido, cuidadoso e humanizado. Então, esqueça os estigmas e procure um psiquiatra ou psicólogo. A mente também faz parte do nosso corpo e esses profissionais são habilitados para cuidar dessa parte tão importante da gente.

Além disso, existem centros especializados, onde qualquer pessoa pode buscar ajuda. Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) oferecem auxílio em mais de 120 postos de atendimento no Brasil. Também há o Centro de Valorização da Vida (CVV), basta ligar no 188, o qual está disponível 24 horas, inclusive nos feriados.

sede da Eurekka

Prevenção ao suicídio com a Eurekka

Se você sente que está triste há muito tempo, ou conhece alguém que está assim. É hora de procurar ajuda. E não para por aí, se você já tentou ou sequer pensou em suicídio ou é próximo de alguém que se encaixa nessas situações, também é necesário procurar ajuda.

Aqui na Eurekka, nós temos profissionais preparados para lidar com esse tipo de situação e oferecer ajuda para superar os pensamentos suicidas e também para apoiar a família e pessoas próximas. Nossos psicólogos são experientes e éticos, por isso são habilitados para ajudar você a cuidar bem da sua mental.

Para saber mais sobre a Terapia Eurekka, clique aqui e marque uma conversa inicial!

Você também pode contar com a EurekkaMed, que oferece tratamento com psiquiatras de forma presencial ou por remota.

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 0

Equipe Eurekka

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.