Transtorno de Processamento Auditivo (TPAC): o que é e como tratar

Brenda de Castro Igino

A audição é um dos 5 sentidos e está ligada ao desenvolver da linguagem e da cognição. Para que isso ocorra,  é vital ter boas vias auditivas periféricas e as centrais. Contudo, quando isso não ocorre, temos o TPAC (Transtorno de Processamento Auditivo Central).

Então, nesse texto, você vai saber mais sobre este transtorno, causas, sintomas e como ter o diagnóstico. Além disso, vamos falar também sobre como tratar o TPAC e que doenças que você pode4 confundir com o transtorno. Boa leitura!

ouvido e tpac

O que é o transtorno do processamento auditivo?

Processamento auditivo central é o termo que se usa para falar do caminho do som no ouvido. Portanto, o TPAC é um transtorno funcional da audição. Nele, a pessoa ouve os sons como todo mundo, mas é mais difícil entender esses sons.

Assim, o TPAC atrapalha para ouvir, entender a fala e melhorar a linguística. Por isso,  torna mais difícil aprender o que a escola pede.  

Os sistemas auditivos periférico e central gerenciam a memória e o processamento auditivo. Então, leva para outros locais do cérebro, onde as áreas vão entender e interpretar.

TPAC é autismo?

Usa-se o Transtorno do Espectro Autista (TEA) para falar de várias condições,  que têm 3 características vitais. Elas podem surgir de forma única ou ligadas. São elas: a dificuldade de se comunicar, pela falta de domínio da linguagem e por não conseguir imaginar para lidar com jogos simbólicos; dificuldade de socializar e padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

O TPAC pode surgir em pacientes com autismo, assim como a TDAH, a dislexia e algumas doenças neurológicas. Além disso, algumas sinais dos dois transtornos se parecem.

tpac ou dislexia

TPAC é dislexia?

A dislexia é um transtorno genético e hereditário da linguagem. Além disso, tem origem neurobiológica e torna difícil interpretar o estímulo escrito ou símbolo gráfico.

Por isso, o transtorno pode atrapalhar a pessoa na hora de aprender, ler e escrever. Assim, pacientes com dislexia podem ter o TPAC. Ademais, os sintomas dos dois podem se sobrepor. 

O que causa o transtorno do processamento auditivo?

Podem ser várias as causas do TPAC estão: otites de repetição na primeira infância, pequenas lesões na via de condução, privação sensorial, mudanças neurológicas, problemas desde a gestação, déficit cognitivos, transtornos de aprendizagem e TDAH.

Principais comportamentos do aluno com distúrbio do processamento auditivo em sala de aula

  • Pede que repita o que disse ou usa as expressões: Hã? O quê? Como?
  • Déficit para ouvir a conversa quando há ruído. Por exemplo: não conseguir entender o professor se houver barulho de ventilador ou colegas conversando na sala de aula.
  • Queixas de desconforto em ambientes com barulho
  • Trocas de letras na fala e/ou escrita
  • Déficit de compreensão
  • Baixo desempenho escolar
  • Agitação e inquietude
  • Dificuldade em organizar o que pensa
  • Desatenção
  • Dificuldade em cumprir regras
banner produtividade

Como tratar distúrbio do processamento auditivo?

Para tratar essa condição, a pessoa deve contar com uma equipe multiprofissional. Além disso, é vital envolver a família e escola para que, assim, o paciente tenha uma melhor experiência acadêmica e interpessoal.

Terapia de processamento

A Terapia fonoaudiológica reabilita as habilidades auditivas mudadas, diagnosticadas no exame do processamento auditivo central (feito pelo fonoaudiólogo especializado nessa terapia).

Além disso, é capaz de desenvolver essas áreas auditivas que tinham mudanças e contribuir para a melhora da aprendizagem, habilidades auditivas e qualidade de vida desse paciente.

É vital que essa terapia seja feita com um fonoaudiólogo que conheça esse tipo de reabilitação.

educação e psicoeducação

Intervenção psicopedagógica

É importante que a escola se envolva no processo de aprendizagem dos seus alunos. Ela pode tomar algumas medidas simples para melhorar a experiência de alunos com TPAC, como: 

  • Atrair a atenção do aluno antes de começar a falar;
  • Colocar o aluno em um bom lugar na sala de aula, próximo ao professor, de preferência nas primeiras carteiras centrais;
  • Uso de exemplos práticos, de recursos visuais, auditivos e táteis, antes de pedir para fazer uma atividade;
  • O professor deve ter certeza de que esse aluno entendeu os passos de execução, repetindo e reformulando a informação se for preciso;
  • Evitar ruídos competitivos, ao manter janelas e portas fechadas, afastar o aluno do ventilador, do ar-condicionado e de colegas que conversem mais;
  • Fazer mais intervalos entre as atividades para evitar fadiga auditiva, pode ser melhor dar mais tempo para desenvolver atividades;
  • Uso de post-it para marcar o que deve fazer ou estudar para provas;
  • Acesso ao conteúdo das aulas antes da aula, para se familiarizar com conceitos e novas palavras.
tratamento tpac

Treinamento auditivo para transtorno do processamento auditivo

É um programa que usa técnicas feitas para pacientes com TPAC. Para tanto, é vital enumerar as habilidades mudadas de acordo com o desenvolvimento auditivo normal.

São elas: detecção, sensação, discriminação, localização, reconhecimento, compreensão e memória. Ademais, dentro de cada etapa se trabalham todas essas habilidades auditivas, de acordo com o que o paciente precisa.

Sempre se trabalha a atenção (focalizada e seletiva) e a memória, por causa de sua importância, junto às outras habilidades. Além disso, trabalham sons verbais e não verbais, a fim de melhorar mecanismos fisiológicos. Eles são vitais para várias habilidades auditivas.

Nesse treinamento, se respeita a complexidade de tarefas dentro de cada habilidade auditiva. Ou seja, inicia-se com tarefas mais fáceis e, conforme o paciente for progredindo, a dificuldade aumenta, até que alcance 70% ou mais.  Acertos inferiores a 30% mostram que é melhor deixar as atividades mais fáceis.

Exercícios para DPAC/TPAC

É bom um fonoaudiólogo com experiência em reabilitação em habilidades auditivas acompanhar e fazer o exame de processamento auditivo. Isso é vital para a orientação sobre quais exercícios são os mais adequados para cada paciente.

O médico pode orientar e recomendar exercícios para a família fazer em casa. Cada paciente é particular, por isso, a experiência do profissional tem que saber definir quais exercícios são melhores.

Gostou do texto? Acesse mais conteúdos de graça, como esse, sobre psicologia e saúde! Você pode baixar nosso aplicativo e também conferir a rede social que preferir: InstagramFacebook e YouTube!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 5

Brenda de Castro Igino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *