Quais os tipos de depressão? Descubra agora e saiba como tratar

Equipe Eurekka

Por mais que a depressão seja uma das doenças mais faladas nos dias de hoje, muitas pessoas não sabem que existem vários tipos de depressão. 

Afinal, muitas são as causas que podem levar alguém a desenvolver esse transtorno, assim o modo como o estado depressivo se manifesta pode variar de pessoa para pessoa. 

Portanto, é muito importante que você saiba quais são esses tipos de depressão e consiga identificar os sinais de alerta, seja em você ou em alguém próximo. Dessa forma, você vai ser capaz de procurar ajuda adequada. 

Então, neste texto, nós vamos mostrar quais os tipos e sintomas do transtorno depressivo. Além de também explicar qual o tratamento certo.

Boa leitura!

O que são os tipos de depressão?

A depressão é um transtorno que afeta a mente e, por conta disso, acaba por afetar também todas as atitudes da pessoa no dia a dia, fazendo com que ela pare de reagir às situações ao seu redor e perca o interesse por tudo, até mesmo pelas coisas que gostava antes.

Mas vale lembrar que essas atitudes disfuncionais não acontecem por vontade própria, e sim porque o psicológico da pessoa está afetado, de modo que ela não consegue se conectar com o mundo ao seu redor.

Por exemplo, uma pessoa com depressão pode se afastar de todas as pessoas queridas e começar a se isolar e se sentir triste o tempo todo. Mas isso não é falta de amor ou ingratidão, e sim um transtorno na mente que a impede de encontrar prazer nas situações em geral. 

E, apesar da característica principal da depressão ser essa falta de vontade em relação à vida, existem variações na manifestação desse transtorno, já que ele pode surgir por mais de uma razão.

E é essa variação de causas e sintomas que chamamos de tipos de depressão.

Por exemplo: uma pessoa com depressão pós-parto terá sintomas diferentes de alguém que tem depressão induzida por abuso de substâncias.

Mas fique calmo, nós vamos explicar tudo sobre as diferenças entre os tipos de depressão agora mesmo!

tipos de depressão

Tipos de depressão

Todos os psicólogos seguem manuais que os ajudam a identificar os sintomas do paciente e a quais transtornos esses sintomas estão relacionados.

Como por exemplo, o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), que funciona como um guia para os profissionais da saúde mental.

Esse material categoriza os transtornos mentais e seus sintomas, ajudando o psicólogo, ou psiquiatra, a dar o diagnóstico correto para seu paciente.

E é com base em materiais como esse, que nós trouxemos para você nove tipos de depressão e seus sintomas mais comuns!

Então, confira só!

1. Transtorno depressivo maior

Esse tipo de depressão é caracterizado pela persistência de sinais depressivos durante duas ou mais semanas.

Ou seja, a pessoa que tem esse tipo de depressão deve apresentar quase todos os sintomas na maioria dos dias, no período de 14 ou mais dias

Sendo que pelo menos um dos sintomas deve ser humor deprimido ou perda de interesse ou prazer.

Alguns dos sintomas são:

  • Humor deprimido
  • Perda do interesse e prazer nas atividades do dia a dia
  • Alteração no peso e no apetite
  • Insônia ou muito sono
  • Agitação ou retardo psicomotor
  • Fadiga
  • Sentimento de inutilidade ou culpa excessiva/inapropriada
  • Pensamentos recorrentes de morte
  • Dificuldade em pensar, se concentrar e tomar decisões

2. Depressão Atípica

A depressão atípica é um subtipo de depressão e age como um especificador dos outros tipos desse transtorno. Ela é categorizada assim, porque a depressão atípica acontece quando alguns dos sintomas são muito peculiares e diferentes dos sintomas normais da depressão. 

Por exemplo: se na maioria dos casos depressivos acontece a perda de apetite, nesse caso, a pessoa pode começar a comer mais do que o normal. 

Dessa forma, pode ser difícil diagnosticar a depressão, de modo que o profissional da saúde mental deve analisar todos os sintomas e como eles se manifestam em conjunto, a fim de diagnosticar ou não como um caso de depressão atípica.

Alguns desses sintomas podem ser:

  • Aumento do sono
  • Capacidade de se alegrar em resposta a eventos positivos reais ou potenciais
  • Aumento do apetite e do peso
  • Baixa autoestima
  • Sensação de peso nos braços e nas pernas
  • Padrão persistente de sensibilidade à rejeição interpessoal

3. Transtorno Depressivo induzido por Substância/Medicamento

Nesse caso, a depressão é induzida por uma alteração causada por alguma substância ou algum medicamento. Sendo que essa mudança pode acontecer tanto pelo uso excessivo de uma substância ou remédio, tanto pelo processo de abstinência de um desses casos.

E o sintoma mais comum é a persistência do humor depressivo ou falta de interesse em atividades do dia a dia durante ou logo após intoxicação ou abstinência de substância ou após exposição a medicamento, sendo que tais sintomas são fortes o suficiente para atrapalhar as atividades sociais e profissionais do indivíduo.

4. Depressão psicótica 

Esse caso de depressão acontece quando outros sintomas depressivos vêm junto de sintomas psicóticos, como, por exemplo, alucinações

Ou seja, esse tipo de depressão age em combinação com outros tipos. Por exemplo: uma pessoa pode ter a depressão psicótica ligada à depressão maior. 

E os principais sintomas da depressão psicótica são:

  • Ouvir vozes
  • Ver pessoas que não existem
  • Se sentir ameaçado e perseguido
  • Delírios e alucinações relacionadas ou não com com temas depressivos típicos (culpa, inadequação, doença, niilismo, punição merecida e outros).

5. Distimia 

A distimia é quando a depressão é um fator contínuo na vida da pessoa. Ou seja, quem sofre com a distimia tem depressão por longos períodos e não apenas em uma fase da vida. 

Por exemplo: se a pessoa foi diagnosticada com depressão maior e após um período de dois anos ela continua no mesmo estado, ela pode ser diagnosticada com transtorno depressivo persistente (distimia), além da depressão maior. 

E essa depressão é muito perigosa, pois, por ser tão frequente e contínua, a pessoa pode se acostumar com os sintomas e nem perceber mais que são sintomas depressivos. Ainda mais que, de modo geral, eles aparecem de forma mais leve.

E esse caso pode acontecer, principalmente, quando a pessoa desenvolve a depressão muito cedo (quando criança, por exemplo), de forma que ela aceita esses traços depressivos como sua personalidade, não sabendo que se trata de um distúrbio. 

Alguns dos traços são:

  • Apetite menor ou em excesso;
  • Insônia ou muito sono;
  • Fadiga;
  • Baixa autoestima;
  • Dificuldade em tomar decisões;
  • Baixa concentração;
  • Desesperança.

6. Transtorno Disfórico Pré-Menstrual

Esse tipo de depressão é muito pouco conhecido e pode até mesmo ser confundido com os famosos sintomas da TPM — a pior inimiga da maioria das mulheres. 

Mas, no caso do Transtorno Disfórico Pré-Menstrual, os sintomas são muito mais fortes e seguem um certo padrão. E nós vamos explicar tudo sobre isso agora.

Primeiro, vamos apresentar os sintomas e depois a época em que eles se manifestam, ok? Para que assim você possa ver se é o seu caso!

Então vamos lá, os principais sintomas são:

  • Mudanças de humor e sensibilidade aumentada à rejeição
  • Irritabilidade ou raiva aumentada
  • Humor deprimido, desesperança e pensamentos autodepreciativos
  • Ansiedade e tensão
  • Falta de interesse
  • Fadiga
  • Alteração no apetite
  • Alteração no sono
  • Sentir-se sobrecarregada
  • Sintomas físicos
  • Dificuldade de concentração

Bom, mas para que esses sintomas sejam considerados como esse transtorno, a mulher deve sentir pelo menos 5 desses sintomas.

Além disso, esses 5 sintomas, de modo geral, são sentidos na última semana antes do início do período menstrual, começam a melhorar poucos dias depois do início da menstruação e se tornam bem menores ou inexistentes na semana pós-menstrual. 

7. Depressão Sazonal

Esse tipo de depressão está ligado às estações do ano e acontece, principalmente, em países de clima frio e com inverno rigoroso.

Além disso, assim como a depressão atípica e psicótica, esse tipo de depressão também é considerado um especificador de outros tipos de depressão.

Mas como as estações do ano interferem na saúde mental das pessoas? Bom, na verdade é bem simples!

Com a chegada do inverno, há pouca luz natural em países com climas extremos e, na maior parte do tempo, o dia fica escuro, mesmo durante a manhã e a tarde.

Dessa forma, por conta do clima difícil e da falta de luz solar, muitas pessoas entram em um estado depressivo no inverno e até mesmo no outono. 

E pessoas que moram em países assim, mas não nasceram lá, são mais propensas a terem depressão sazonal. 

Por fim, alguns sintomas da depressão sazonal podem ser:

  • Pouca energia
  • Dificuldade em se concentrar
  • Fadiga
  • Sonolência
  • Apetite afetado
  • Isolamento

E sim, existem casos em que ocorre o contrário, ou seja, existem pessoas que têm depressão sazonal no verão, mas são bem menos comuns do que no inverno.

Saiba mais: Saúde mental no exterior

8. Depressão pós-parto

Como o nome diz, a depressão pós-parto afeta as mulheres depois que elas dão à luz a um bebê.  

E a causa dessa depressão pode ser tanto a deficiência hormonal, que é comum após o parto, mas também outros fatores, como a mãe não se sentir conectada ao filho, a gravidez ter sido indesejada, histórico de depressão anterior e muitos outros fatores psicológicos e físicos. 

Como falamos acima, por causa da mudança hormonal, é normal que a mãe se sinta um pouco triste após o parto, porém, se esse sentimento não melhorar após um longo período, é possível que seja depressão pós-parto.

Alguns sintomas podem ser: melancolia, irritabilidade e tristeza contínua. 

Saiba mais: Depressão Perinatal

9. Transtorno Disruptivo de Desregulação de Humor

O Transtorno Disruptivo de Desregulação de Humor tem como principal traço a irritabilidade crônica grave.

Ou seja, esse transtorno depressivo é caracterizado por explosões de raiva frequentes, em média, 3 ou mais vezes por semana e por pelo menos um ano. 

Além disso, essas explosões de raiva são marcadas por ocorrerem em mais de um lugar, como em casa, na escola e em outros ambientes.

Outro fator marcante é o humor irritado e zangado na maior parte do dia e em quase todos os dias. Além disso, é uma irritação muito fácil de se perceber pelas outras pessoas que convivem com a pessoa. 

10. Depressão Exógena

A depressão exógena é aquela que é desencadeada por alguma situação específica, como o luto, um trauma, um término de namoro, mudança de cidade e por aí vai.

Ou seja, ela não acontece por algum fator orgânico do corpo, mas sim por um acontecimento que prejudicou a saúde mental de alguma forma.

11. Depressão Endógena

Já a depressão endógena acontece por fatores biológicos. É quando não necessariamente aconteceu algum evento ruim, mas o corpo apresenta um um desequilíbrio na bioquímica do cérebro, como a falta de serotonina.

Assim, a pessoa entra em um quadro depressivo sem nenhum motivo aparente, uma vez que a razão é puramente interna.

12. Depressão Refratária

A depressão refratária é um caso de depressão que não teve a remissão dos sintomas depois de ser tratada com remédios. Ou seja, se depois de terminar o tratamento convencional com antidepressivos, os sintomas não melhoraram. Então, a pessoa é diagnosticada com depressão refratária.

Como tratar os tipos de depressão? 

Assim como outras doenças, a depressão deve ser diagnosticada e a pessoa que sofre com esse transtorno deve começar a ser tratada com algumas ações específicas para combater esse problema.

E agora, vamos mostrar para você os métodos mais eficazes para tratar a depressão e até mesmo para prevenir essa doença!

Psicoterapia

A psicoterapia, com certeza, é um dos melhores tratamentos para a depressão. Além disso, a prática da terapia pode ajudar você a se prevenir para que nem mesmo chegue a ter o transtorno!

O psicólogo não é só alguém que fica anotando o que você diz. Ele é um profissional da saúde mental que sabe quais métodos são eficazes para tratar e prevenir a depressão.

Assim, ele irá ajudar você a entender melhor as questões que te incomodam e irá ensinar técnicas saudáveis para você aplicar no dia a dia, de modo que você comece a caminhar para a remissão e melhorar a qualidade de vida.

Inclusive, você pode conhecer a terapia da Eurekka clicando no banner abaixo!

terapia presencial em porto alegre

Exercícios físicos

Os exercícios físicos vão muito além de querer ter um corpo bonito. Afinal, a prática do exercício físico está muito ligada à saúde física e mental.

Ao praticar exercícios físicos, você evita muitas doenças e problemas no organismo, como o colesterol alto, e também faz com que seu corpo libere hormônios e outras substâncias que dão a sensação de prazer e felicidade, como a endorfina.

Por isso, adquira o hábito de praticar exercícios físicos de modo regular! Dessa forma, você ficará mais saudável, mais feliz consigo mesmo e evitará muitos problemas físicos e emocionais. 

Tenha uma rotina saudável

É um fato que todos precisam ter uma rotina, certo? Mas também é importante que essa rotina não seja algo que cause estresse e deixe você sempre exausto e frustrado.

Assim, tente montar uma rotina com os seguintes itens:

  • Hora certa para dormir e acordar
  • Fazer uma lista com todas as tarefas do dia
  • Tirar um tempo para fazer exercícios físicos
  • Momento de lazer
  • Alimentação saudável
  • Tempo com a família e amigos 

Ao começar a cuidar da sua rotina e ser mais organizado, com certeza, isso irá refletir na sua saúde mental, evitando a depressão e até mesmo ajudando com que você saia do estado depressivo. 

Medicação

Outro passo importante para tratar a depressão é a medicação correta. Mas entenda: isso não significa se automedicar, mas sim contar com a ajuda e prescrição de um médico psiquiatra

Com a dose e o remédio certos, você receberá um grande apoio na luta contra a depressão. Assim, enquanto o psicólogo cuida da parte comportamental, o psiquiatra irá cuidar da parte orgânica, de modo que as duas áreas da sua vida fiquem em equilíbrio.

Há um mito de que a pessoa ficará sempre dependente do remédio, mas a verdade é que o medicamente apenas equilibra a química do seu cérebro para que você tenha ânimo para realizar atividades que te levarão à melhora.

Assim, alcançando os resultados, o psiquiatra irá ajudar você a fazer o desmame do remédio!

sede da Eurekka

Trate a depressão na Eurekka

Ter depressão não é algo fácil, e a falta de um tratamento adequado pode tornar tudo ainda mais difícil.

Como falamos acima, a terapia em combinação com hábitos saudáveis e medicação certa, é essencial para que você saia de vez do ciclo depressivo e consiga voltar a viver como antes.

Por isso, pensando em você, nós da Eurekka reunimos todo esse serviço em um só lugar!

Nossa equipe conta com psicólogos e psiquiatras escolhidos a dedo para oferecer o melhor atendimento e garantir resultados rápidos. Assim, você consegue acompanhar o seu progresso diário desde a primeira sessão.

E o melhor: você pode escolher fazer o atendimento de forma presencial ou online!

Então, se você quer dar o primeiro passo em direção à uma vida melhor, clique aqui e marque uma Conversa Inicial online com um de nossos psicólogos!

E, para mais conteúdos gratuitos, nos siga nas nossas redes sociais:

Este artigo te ajudou?

0 / 3 0

Equipe Eurekka

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *