Religiosidade e psicoterapia: o que a Psicologia diz sobre isso

Equipe Eurekka

Religião e ciência sempre pareceram brigar entre si, mas será que precisa mesmo ser assim? No texto de hoje, vamos falar sobre como a Psicologia vê a crença e qual a relação entre religiosidade e psicoterapia

Assim, você vai entender como essas duas esferas se relacionam, descobrir o que a Psicologia tem a dizer sobre a religiosidade e também vai saber como lidar com essa questão quando o assunto surgir.

Boa leitura!

O que é religiosidade?

Para algumas religiões e crenças, o termo religiosidade tem um significado pejorativo, pois significa o ato de praticar um ritual religioso apenas por “estar ali” e cumprir com um dever, sem de fato imergir na fé. 

Contudo, vale esclarecer que, neste texto, o termo religiosidade está sendo usado apenas como indicação ao ato de se ter uma crença em determinada religião e ser praticante dessa fé. 

Ou seja, religiosidade aqui não está em uma conotação negativa, ok? 

vela religiosidade e psicoterapia

Qual a diferença entre religiosidade e espiritualidade?

A religiosidadeé o ato de acreditar no que determinada religião prega e seguir os preceitos dessa fé. De forma que a pessoa está inserida em uma comunidade que partilha da mesma visão. 

Já a espiritualidade não necessariamente está ligada à religião, pois a pessoa pode se sentir muito conectada com o seu lado espiritual e com sua fé, mas não ser praticante de nenhuma religião específica. É uma busca individual pelo sagrado, pelo equilíbrio e pela devoção.

Como é definido no artigo Espiritualidade, religiosidade e psicoterapia (2007), o qual pontua: 

religião como um sistema organizado de crenças, práticas, rituais e símbolos projetados para auxiliar a proximidade do indivíduo com o sagrado e/ou transcendente, e espiritualidade como uma busca pessoal de respostas sobre o significado da vida e o relacionamento com o sagrado e/ou transcendente. (KOENIG apud PERES, p. 137, 2007).

O que é religiosidade na psicologia?

Muitos estudos têm mostrado a importância de se considerar o fator religioso dentro da Psicologia, isso porque a religião engloba três áreas muito importantes na vida do indivíduo, sendo elas: “a relevância da religião na cultura, incidência do fenômeno religioso na clínica psicológica, relações entre religiosidade e saúde mental, considerações dos valores na prática clínica” (LÔBO, 2014, p.18).

Ou seja, para a Psicologia, a religião não é vista como algo a ser combatido, mas algo importante para a vida daqueles que a praticam. Ou seja, ela é vista como um fator necessário na construção de valores individuais, expressão cultural e até mesmo como potencializadora da saúde mental. 

Dá para unir religiosidade e psicoterapia?

A psicoterapia visa a atender todas as pessoas, gerando bem-estar emocional com base em preceitos da psicologia e nas crenças e valores do paciente.

Segundo Lôbo (2014), no Brasil, a maioria dos pacientes da psicoterapia são religiosos ou se identificam com alguma religião. E esses dados deixam claro que é possível sim unir tratamento psicológico e religião, sendo que é responsabilidade do terapeuta entender, respeitar e levar em consideração as crenças do indivíduo em suas abordagens.

Como a religiosidade e a espiritualidade influenciam na vida do paciente?

Então, como falamos acima, a religiosidade e espiritualidade, além de uma fonte de fé, também dizem muito sobre a cultura em que o paciente está inserido, o contexto de vida e as crenças inegociáveis, certo?

Ou seja, muitas das ações do indivíduo vão ser guiadas pelos ensinamentos da religião que ele segue. 

Portanto, a religiosidade e espiritualidade influenciam na tomada de decisão, bem-estar mental, sentimento de pertencimento a um grupo, valores, esperança em algo e fé. 

Religiosidade e saúde mental

Conforme o artigo Espiritualidade, religiosidade e psicoterapia (2007), a maioria dos estudos têm indicado uma relação positiva entre pessoas que praticam alguma religião e o estado de felicidade.

Assim, o que se observa, na maioria dos casos, é que pessoas que praticam uma religião têm melhores índices de saúde e aumento do bem-estar.

Ademais, segundo dados aqui da Eurekka, observa-se uma redução em 30% do risco de ter depressão nas pessoas que praticam a religiosidade e/ou a espiritualidade de alguma forma. 

Mas é claro que esses dados dizem respeito às pessoas que praticam a religião e a espiritualidade de forma voluntária, ou seja, não é o ato de ir obrigado pelos parentes, amigos ou até mesmo por culpa. 

sede da Eurekka

Aprenda mais sobre saúde mental com os psicólogos da Eurekka!

Se você quer saber mais sobre como a psicologia age em diversas áreas da sua vida e como ela pode ajudar você a viver melhor, você precisa conhecer a Academia Eurekka!

Com conteúdos feitos pelos psicólogos da Eurekka, a Academia funciona como uma Netflix de saúde mental. Você tem acesso a aulas gravadas, grupos exclusivos e materiais inéditos para que você entenda melhor como sua mente funciona e como usá-la a seu favor para conquistar objetivos e aumentar seu bem-estar físico e mental!

Quer fazer parte? Então clique aqui!

Referências Bibliográficas:

LÔBO, Bárbara. Religiosidade e Psicoterapia: Um estudo sobre estagiários de Psicologia Clínica. Brasília: 2014. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/235/5478/1/Barbara%20Lobo.pdf. Acesso em: 23/01/2023.

PERES, Julia; SIMÃO, Manoel; NASELLO, Antonia. Espiritualidade, religiosidade e psicoterapia. São Paulo: 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rpc/a/YFghx4LyPBm6vVMH78Z4h8J/?format=html . Acesso em: 30/01/2023.

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 0

Equipe Eurekka

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.