Multiverso da loucura e luto: o segredo da psicologia no cinema

Equipe Eurekka

“O que é o luto, se não o amor que perdura?”. Essa é a frase do personagem Visão, um dos super-heróis da Marvel; mas poderia ser de um livro de psicologia. Podemos ver na cultura pop várias formas de tratar dores reais; como o Multiverso da Loucura e o Luto

Afinal de contas, o cinema sempre traz representações de emoções humanas. Isso acontece, porque,  independente do tipo de filme, a intenção é que a gente se identifique com os personagens. Desse modo, dá pra ver muita coisa da psicologia na sétima arte, e na reação do público a ela.

Quer saber mais sobre isso? Vem com a gente neste texto que vai te mostrar como o luto e a reação a uma grande perda, aparece no novo filme do Doutor Estranho, e como a psicologia vê os acontecimentos da obra. Só não tem uma aparição surpresa do Stan Lee! E cuidado com spoilers!

O luto na Marvel

Capitão América, Homem de Ferro, Homem-Aranha. Todos esses são personagens que têm mais de 50 anos de existência no Universo Marvel. Os próprios Doutor Estranho e Feiticeira Escarlate existem nos quadrinhos desde 1963 e 1964. Mas o que explica essa longevidade? O que explica esse sucesso?

Lutas intensas, enredos criativos, qualidades admiráveis. Todas essas são questões que chamam a atenção, e fazem parte da história e do êxito desses heróis. Porém, o que faz com que as pessoas se apeguem de verdade a esses personagens é o lado mais humano deles. 

Afinal, é esse equilíbrio que faz toda a diferença. É ver que mesmo sujeitos com habilidades de outro mundo, em situações surreais e fantásticas, ainda têm emoções humanas. E nenhum superpoder protege da influência de sentimentos, como a raiva, o amor, e o luto.

A cena da morte do tio Ben, num filme do Homem-Aranha. Todas as pessoas que viraram poeira em Guerra Infinita. O sacrifício de Tony Stark e Natasha Romanoff em Ultimato. É inegável: a morte está presente nos filmes da Marvel. E nisso, podemos analisar o luto dos que sobrevivem

O luto antes do Multiverso da loucura

Vimos que o luto está presente nas histórias da Marvel, assim como várias emoções humanas. Mas por que os personagens de Multiverso da Loucura têm esse sentimento? O que, antes do filme, os levou a isso? Aqui vai um resumo das obras da cronologia que mais importam para entender isso. 

Wandavision – O luto de Wanda Maximoff

Wanda é uma das personagens que mais sofreu no MCU, o universo da Marvel nos filmes. Perdeu os pais quando criança, foi submetida a vários experimentos, perdeu o irmão gêmeo e, por fim, foi obrigada a matar o homem que amava. E é a partir das sequelas emocionais desses eventos, que chegamos em WandaVision.

Na série, Wanda, de forma mais ou menos consciente, sequestra a cidade de Westview e cria uma realidade alternativa. Esse mundo, inspirado pelas sitcoms que ela adorava na infância, é seu sonho ganhando vida. Nele, ela é casada com Visão, mora numa boa cidade e tem 2 filhos, Billy e Tommy. 

Porém, Wanda não sabia que estava fazendo todos sofrerem, expondo-os a sua dor ao manipulá-los. E é somente ao enfrentar Agatha, uma bruxa que tenta roubar seus poderes, que Wanda percebe que precisa aceitar a realidade, a morte de Visão, e que não pode ter sua vida perfeita.

Ao final da série, Wanda assume o título de Feiticeira Escarlate, a bruxa mais poderosa do universo;  também se apropria do Darkhold, um livro de feitiços escrito por um demônio. E embora no final tudo pareça estar bem, o poder do livro impede que ela realmente siga em frente.

Dr. estranho e o luto no multiverso

What If – O luto do Dr Estranho

Em What If, série animada da Marvel, somos finalmente apresentados ao conceito de Multiverso. São universos paralelos em que mínima coisa é diferente da nossa realidade. Assim, novos mundos surgem dessas mudanças e outras versões de nós passam a viver neles. 

Um dos episódios mais queridos pelos fãs é o centrado no Doutor Estranho. No filme de 2016, Stephen Strange é um cirurgião que, após um acidente, não consegue mexer bem as mãos, e isso o deixa desesperado. Já na série, ao invés dos movimentos das mãos, ele perde seu amor, Christine.

Até certo ponto, a narrativa é a mesma. Inconsolável por sua perda, tanto no filme quanto na série, Stephen acaba encontrando a magia na sua busca por reverter o resultado do acidente, e se torna o mago Doutor Estranho. Mas na série, ele não para por aí, nem elabora seu luto.

Esse Stephen volta diversas vezes no tempo, tentando impedir a morte de Christine. Além disso, ele também vai absorvendo os poderes de vários seres mágicos para buscar seu objetivo. Porém, isso chega no grau de descontrole que Stephen acaba destruindo seu universo. Tudo pelo seu luto sem freio.

Multiverso da loucura e luto

Quanta coisa né? Mas tendo esse resumo básico, podemos partir para Dr. Estranho no Multiverso da Loucura. No filme, Stephen Strange pede a ajuda de Wanda para proteger America Chavez, uma garota com o poder de viajar pelo multiverso de criaturas que tentam roubar os poderes dela. 

Porém, é a própria Wanda, corrompida pelo Darkhold, que quer pegar os poderes da garota, para ir a uma realidade em que esteja com seus filhos. Assim, Dr Estranho e America entram em diferentes mundos buscando formas de detê-la. Com isso, descobrem muito sobre eles mesmos.

O filme é muito bem dirigido, visualmente bonito, e tem várias cenas de ação e magia de tirar o fôlego. Mas para a psicologia, o que se destaca é o luto no multiverso da loucura e a aceitação de não poder mudar nem controlar a realidade. Assim, é nesse universo que devemos nos esforçar para seguir em frente e sermos felizes.

Multiverso da loucura e o luto de Wanda

Wanda

No final de WandaVision, Wanda está tentando superar o mundo perfeito, porém falso, que criou para si mesma. No entanto, ao ler (e ser manipulada) pelo Darkhold, descobre que seus filhos existem em outra realidade, com outra Wanda como mãe. E assim, fará de tudo para tê-los de volta.

Mesmo ela sendo a vilã, é difícil não simpatizar com a dor dela. Ao longo do filme, vemos que, apesar de nunca ter realmente sido mãe, seu amor por esses filhos é real. E é somente ao final da trama, quando vê que se tornou mais um monstro do que uma mãe, que aceita sua realidade.

Assim, podemos ver que toda a ambição e atitudes tóxicas de Wanda são, na realidade, sintomas de um luto que não foi bem trabalhado. Impedindo, assim, que a heroína seguisse sua vida e voltasse sempre para um lugar de dor e de não aceitação.

Dr. Estranho

Qual o luto do Dr Estranho nesse filme? Depende de qual variante você está falando! Embora o Dr Estranho de What If não apareça nesse filme, vemos várias versões do personagem em diferentes universos. Todos têm um ponto em comum: não conseguiram ficar com sua amada Christine.

O protagonista, embora esteja lidando com esse fato, não consegue aceitar o luto por inteiro. Até por isso, não consegue de fato estar bem, como Christine deseja que ele fique. Mas, com o decorrer do filme, Stephen vê o perigo de não aceitar sua realidade, e passa a se esforçar para ser feliz.

america chavez

America Chavez

Nesse filme, conhecemos pela primeira vez no MCU, a heroína America Chavez. Embora tenha poderes únicos, ao ponto de ser a única versão de si mesma em todos os universos, ela não sabe controlá-los. Só consegue abrir um portal para outro mundo em situações extremas de medo.

Isso porque, quando criança, mandou sua família para outro mundo sem querer. Desde então, além de muita culpa e solidão, ela carrega o medo desses poderes. Porém, ao longo do filme, consegue criar vínculos e se tornar mais segura, até que, por fim, passa a saber usar seu dom. 

O interessante nessa personagem é a percepção de que o luto não é apenas sobre a morte, mas sobre a perda. Por exemplo, America não sabia se sua família tinha morrido, mas a dor que ela sente é um luto por ter perdido algo importante. Além de algunas traumas em relação a si mesma.

Saiba mais: A psicologia nos filmes da Marvel!

As fases do luto nos personagens de Multiverso da Loucura

Quase sempre, quando ouvimos falar de morte e luto, ouvimos falar das “fases”. Isso porque, apesar do luto ser algo individual, há algumas coisas que quase todo mundo sente e pensa ao passar por uma grande perda.

E esses estágios bem comuns e conhecidos são:

Vale ressaltar que essas não são as “fases” ou estágios do luto para todo mundo, porque, mesmo sendo reações comuns ao luto, não é um caminho em linha reta. A pessoa de luto nem sempre vai passar por todas essas etapas, nesta ordem. Assim, está mais pra um jeito de entender essa dor.

Mas ainda é essencial entender quais são esses sentimentos. A negação é não aceitar o que aconteceu. Isso pode tanto ser de forma direta quanto subjetiva, como achar que ainda dá pra voltar atrás e salvar tudo. Parece a Wanda buscando outras versões dos filhos, né?

A raiva também é uma emoção super comum nesses contextos. A pessoa pode sentir raiva de si, como culpa; raiva dos outros, e até da pessoa ou coisa que se perdeu. Aí vem a barganha, que é como se fossem “tratos” de recompensa com o destino. Como se, caso a pessoa cumpra seu lado, a perda será revertida. 

Já a depressão pode ser a reação mais longa. O sujeito não vê sentido na vida e se entrega aos sentimentos ruins e de tristeza. E a forma de superar tanta dor é pela aceitação. Isso não quer dizer esquecer, mas sim entender que aconteceu, que dói, mas que é preciso continuar vivendo.

sede da Eurekka

Você se identifica com os personagens? A Eurekka pode ajudar você!

Vimos no texto que até mesmo os heróis passam por momentos de muita dor. Um exemplo disso é o Multiverso da Loucura e o luto.

E essa perda, na ficção ou na vida real, sempre é difícil de lidar. Claro, ninguém vai invocar criaturas demoníacas para sequestrar uma garota em busca dos filhos! Mas no meio dessa dor, podemos fazer coisas destrutivas para nós e para os outros.

Mas a boa notícia é que a terapia pode ajudar com esse sofrimento. 

Então, se você está passando por uma perda difícil de lidar, fale com a Eurekka! Aqui, nós temos um time de psicólogos humanizados e capacitados que podem ajudar você a enfrentar esse momento tão duro.

E para trilhar esse caminho com a ajuda de bons profissionais, é só clicar aqui embaixo e marcar sua Conversa Inicial com um de nossos psicólogos!

Afinal, nós sabemos que lidar com o luto pode ser muito doloroso. Mas não precisa ser solitário. Vem com a gente!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 5

Equipe Eurekka

Leave a Reply

Your email address will not be published.