6 dicas para espalhar informações do bem no Setembro Amarelo

Equipe Eurekka

O suicídio é um assunto tabu. Mas, quando não se fala sobre ele, corre-se o risco de perder pessoas. E isso é muito sério! Por isso, você deve ser um agente da verdade e espalhar informações do bem no Setembro Amarelo, fazendo a diferença na vida de muitas pessoas.

Pois bem! O papo deste texto é sobre os mitos e os sinais que todos nós devemos conhecer para sermos verdadeiros agentes do bem e da mudança quando o assunto é tirar a própria vida.

Você que está lendo este texto pode ser um grande aliado nesta batalha pela vida. E para isso, não tem ferramenta mais eficaz do que a informação certa, a informação do bem, aquela que salva vidas.

Então, continue a leitura e saiba como agir nesse mês de prevenção ao suicídio!

A história do setembro amarelo

E foi pra isso que o setembro amarelo foi criado e é por isso que este mês se tornou tão especial. Ele está aí pra se falar sobre o assunto. Falar sem rodeios. Falar com afeto, mas de forma direta.

O setembro amarelo é o momento pra se ressaltar a importância de se falar sobre suicídio, para se refletir sobre a depressão, que é a causa maior desse problema, e para se criarem laços fortes.

O Setembro Amarelo começou nos EUA, quando o jovem Mike Emme, de 17 anos, cometeu suicídio, em 1994.

A cor amarela tem a ver com um carro chamado Mustang, reformado por Mike. Quando fez a reforma no automóvel, resolveu pintá-lo de amarelo

Por isso, em homenagem ao garoto habilidoso que não conseguiu segurar a barra da vida, o mês de setembro recebeu essa designação: amarelo.

girassol representando o setembro amarelo

6 dicas de como espalhar a informação do bem sobre o suicídio

Para ser um agente do bem, você precisa estar bem informado e ter consciência de como ajudar. Aqui na Eurekka, a gente não cansa de dizer que qualquer sinal deve ser investigado e jamais esses sinais devem ser alvo de brincadeiras. O assunto é muito sério e você tem responsabilidades nisso.

Então, confira abaixo algumas atitudes que você pode tomar para ser um agente do bem e espalhar informações do bem no Setembro Amarelo. Esse conhecimento poderá ser útil para quem estiver bem pertinho de você, assim como para uma pessoa bem distante.

1. Verifique a veracidade dos enredos fílmicos

Os filmes e séries sobre o tema suicídio têm sido bem comuns e assistidos por milhares de pessoas. É o caso, por exemplo, da produção 13 Reasons Why — “Os 13 porquês”. A série é focada nas treze fitas de áudio deixadas por Hannah, que cometeu suicídio. Em cada fita, a garota narra um dos motivos e pessoas culpadas por ela ter tirado a sua vida, sendo cada episódio dedicado a um desses temas.

O que a gente sugere é que antes de glamourizar o enredo desses filmes e séries, que você verifique se eles não estão exagerando e se não há uma certa dose de dramaticidade e romantização. Leia sobre a produção, leia as críticas que saem nas revistas especializadas e jamais se apavore, porque a arte tem mesmo esse objetivo: chocar!

Afinal, por mais que a série seja um alerta, não deixa de ser uma produção para entretenimento!

2. Não espalhe notícias falsas sobre suicídio

Em tempos de redes sociais e fake news, é preciso tomar muito cuidado com notícias fantasiosas, com dados imprecisos e com pessoas despreparadas analisando o suicídio. 

A sua missão é verificar as notícias. Se não conseguir esclarecimento, acesse o material da Eurekka. Pois aqui você encontra textos, vídeos e muito material sério sobre o assunto.

E, claro, jamais envie essas notícias para conhecidos seus que estejam passando por um momento difícil. Afinal, essas pessoas estão frágeis e o apoio que elas precisam é de carinho e atenção e não de mais fogo na fogueira.

Ou seja: às vezes o melhor modo de espalhar informações do bem no setembro amarelo é não espalhar notícias falsas, pois assim as notícias verdadeiras vão ganhando mais espaço.

homem consolando mulher triste representando uma das formas de informações do bem no setembro amarelo

3. Conheça os principais sinais de que alguém quer cometer suicídio

Quando você conhece os sinais de que alguém pensa em cometer o suicídio, fica mais fácil agir. Então, vamos destacar 3 sinais importantes, porque a gente quer te ajudar a ajudar!

O primeiro sinal é “Desconectar-se de familiares e amigos”, ou seja, a pessoa vai se afastando aos poucos, negando convites pra sair e prefere ficar sozinha. É como se ela fosse desconectando todos os cabos da sua vida.

O segundo sinal é “Falar sobre suicídio ou sobre estar morto”. Você já ouviu de alguém frases do tipo “ Seria melhor se eu não estivesse aqui, daí não causaria mais sofrimento a vocês”? ou, então, “ Dá vontade de sumir, porque assim eu resolveria todos os problemas”? 

Essas frases não são frescura e você deve ficar atento e mais perto dessa pessoa para observar como está a vida dela e como vive a rotina do dia a dia.

E o terceiro sinal é “Entrar no modo despedida”. Este sinal pode passar despercebido, porque a pessoa vai tomando atitudes como distribuir seus pertences, dando de presente a conhecidos. Escreve cartas e deixa em lugares estratégicos. Posta textos nas redes sociais com reflexões sobre a vida e outros.

A correria do dia a dia não nos deixa observar isso com mais atenção, por isso é comum, depois de alguém tirar a própria vida, a família encontrar vários indícios de que ela se preparou para a despedida.

4. Desmistifique os mitos que cercam o suicídio

É comum a gente ouvir declarações do tipo “ Quem quer se matar, vai lá e faz; não fica ensaiando”; “Ah, ele tentou uma vez, não conseguiu, então, agora, não vai tentar mais” ou “ Suicídio é coisa de gente rica e privilegiada, que não tem o que fazer”. 

Essas são frases muito duras e mostram que a desinformação é um problema muito grave.

Então, se você quer mudar essas crenças, explique para as pessoas que essas frases são mitos e que a Ciência, através de estudos sérios, já explicou que o sofrimento que leva uma pessoa a tirar a própria vida é muito grande e que cabe a cada um de nós ter mais empatia.

5. Fale com clareza sobre o suicídio

A dica de ouro é “ não fuja de conversas sobre o suicídio!”  Portanto, as conversas sobre o assunto devem ser francas e diretas, sem julgamentos e frases do tipo “ Não faça assim, você é saudável, tem uma vida pela frente e se você fizer alguma coisa contra a vida, sua família vai ficar muito triste.”

A fala mais correta e produtiva é “Olha só, eu percebi que você não vai mais aos encontros do grupo e tem negado o convite para as caminhadas de sábado, coisa que você adorava fazer. Você está precisando de alguma coisa? Você está triste? Quer conversar sobre isso? Eu queria dizer que se você quiser falar sobre qualquer coisa, eu vou te ouvir, certo?”

6. Não ridicularize o suicídio

Você não pode esquecer que 60% das pessoas que cometem suicídio têm depressão e isso é muito sério. Então, observar os sinais e falar com essas pessoas é o primeiro passo para não perdê-las.  

Sim! A morte é irreversível e você precisa se importar com pessoas que enfrentam a depressão.

Fique tranquilo, porque falar sobre suicídio não incentiva ninguém a cometê-lo. Pelo contrário. A outra pessoa saberá que você tem olhos e ouvidos atentos. Olhos para observar e ouvidos para ouvir essa pessoa. Certamente, ela ficará mais tranquila sabendo que alguém se importa.

Por isso, uma das informações do bem no setembro amarelo é espalhar que a depressão não é frescura, não é dengo, não é mimo. É uma doença que faz a pessoa sofrer muito e sentir dores na alma e é exatamente por isso que ela tira a vida: para se livrar dessa dor.

A quem pedir ajuda diante de sinais de suicídio?

O primeiro passo é avisar a família da outra pessoa, porque é a rede de apoio mais importante nesses momentos.

Se a pessoa estiver passando por algum tratamento psicológico, você também pode fazer contato com o profissional da saúde mental dela e relatar as suas impressões.

Se você perceber que a outra pessoa não tem o apoio da família, é possível acessar alguns serviços gratuitos de assistência psicológica, como o CVV ( Centro de Valorização da Vida), que atende pelo número 188.

O importante é não abandonar a pessoa que passa por esse momento difícil e entender que os sinais são um pedido de socorro. Você pode até pecar pelo exagero, mas não perderá uma vida por algo que poderia ser resolvido.

sede da Eurekka

A terapia pode salvar vidas

Uma das maiores informações do bem no setembro amarelo que você pode divulgar é: a terapia pode salvar vidas.

Não estamos falando de um processo mágico ou milagroso, mas de como um profissional da saúde pode ajudar na melhora da pessoa que deseja se suicidar, usando sempre de técnicas comprovadas pela ciência e ensinando o paciente a lidar melhor com as dores emocionais.

Por isso, se você ou alguém próximo tem apresentado sinais depressivos, não pense duas vezes antes de procurar ajuda. Isso porque, por mais que amigos e familiares sejam uma rede de apoio, apenas um profissional habilitado e experiente poderá trabalhar a depressão de forma efetiva.

Não negocie a saúde mental, peça ajuda!

Este artigo te ajudou?

0 / 3 0

Equipe Eurekka

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *