Infertilidade: o que é? Entendendo o terror de muitos casais

Equipe Eurekka

Equipe Eurekka

JUNTE-SE A MAIS DE 150.000 PESSOAS
Receba o Momento Eurekka com dicas semanais de Saúde Emocional exclusivas:

Normalmente, um casal em idade fértil, que não usa métodos contraceptivos e mantém relações sexuais, conseguiria engravidar em alguns meses. Nesse sentido, a infertilidade é quando um casal não consegue engravidar após 12 meses de tentativa, apesar da mulher ter ciclos menstruais regulares e relações sexuais frequentes.

Mas essa definição depende da idade da mulher, já que serve para as que têm menos de 35 anos. Já para mulheres acima de 35 anos, o tempo de tentativa é de 6 meses de relações sexuais. E isso significa que, um casal abaixo de 35 anos, só pode ser considerado infértil após um ano de tentativas.

O que é infertilidade?

A infertilidade é dividida em primária, quando a já houve gravidez anteriormente ou em secundária, quando ainda não teve nenhuma gravidez. Isso porque já ter um filho não é garantia de fertilidade! Inclusive, podemos chamar de inférteis as mulheres que apesar de conseguirem engravidar, não conseguem manter a gestação até o fim.

Ainda, vale a pena lembrar a diferença entre esterilidade e infertilidade. Enquanto a infertilidade é uma condição que pode ser revertida, a esterilidade é uma infertilidade permanente.

Estatísticas

Nos casais inférteis, 50% das vezes a infertilidade é feminina, enquanto em 30% dos casos ela é masculina. Ainda, em 20% dos casos, tanto o homem, quanto a mulher, são inférteis.

Cerca de 35% das mulheres têm problemas de ovulação por motivos variados, que vai desde um estresse emocional até Síndrome do Ovário Policístico. Portanto, é comum que as mulheres não consigam engravidar no mesmo mês que começaram a tentar.

Mas quando se trata de infertilidade masculina, 40% dos homens não descobrem a causa dela!

Outra coisa importante é que, conforme a mulher fica mais velha, as chances de infertilidade aumentam, pois o período da menopausa se aproxima. Além disso, em um mês, um casal fértil tem só 25% de chance de engravidar. Mas, depois de um ano, a chance sobre para 80%.

Quais as principais causas de infertilidade?

O problema da infertilidade acontece tanto em homens, quanto em mulheres. E as suas principais causas são:

Homens:

1. Idiopática

Sendo a principal causa da infertilidade, ela é definida assim quando não se tem uma causa aparente – não existe nenhum problema no corpo do homem que justifique a infertilidade. Ou seja, ela surgiu espontaneamente ou a sua causa é desconhecida.

2. Varicocele

Essa é a segunda principal causa de infertilidade masculina. Ocorre quando há uma alteração na das veias do testículo. Assim, o sangue não circula adequadamente, levando à um maior aquecimento do testículo e interferindo na formação dos espermatozoides.

Contudo, nem toda varicocele causa infertilidade e existem vários graus. Inclusive, os graus mais iniciais podem ser tratados, o que impede uma futura infertilidade, mas o tratamento da varicocele é por cirurgia.

3. Infecções genitais

Também chamadas de orquites, as infecções dos testículos também são causa de infertilidade. Isso ocorre porque as infecções lesam o chamado epitélio germinativo, que é a parte do testículo onde os espermatozoide são produzidos.

Um exemplo clássico de infecção que leva à infertilidade é a caxumba.

4. Criptorquidia

É quando o testículo não está dentro da bolsa escrotal. Se esse defeito é corrigido quando bebê ou criança, na maioria das vezes, não causa infertilidade. Mas quando é corrigido só quando adulto, as chances de infertilidade são altas!

A criptorquidia pode acontecer de um lado ou dos dois lados, mas a chance de infertilidade é maior se acontecer dos dois lados. A correção, por sua vez, também é cirúrgica.

5. Causas hormonais

A diminuição de testosterona pode causar mudança na produção dos espermatozoides. Alguns comportamentos levam a diminuição de testosterona, como o uso de anabolizantes. Porém, não é porque o homem usa anabolizante que ele vai ficar infértil para sempre.

6. Causas genéticas

Os homens têm um cromossomo X e outro Y. Uma pequena alteração nesse cromossomo Y pode levar a não produção de espermatozoides.

A Síndrome de Klinefelter é a principal causa de mudança no cromossomo Y.  Mas outras doenças genéticas, como fibrose cística, também levam à infertilidade.

7. Causas obstrutivas

É possível que o canal de passagem do espermatozoide, do testículo até o pênis, seja obstruído. Dessa forma, o homem consegue até ejacular, mas sem espermatozoide. Porém, nesses casos, é possível retirar espermatozoides diretamente dos testículos por punção para usar em fertilização in vitro (FIV).

Mulheres:

1. Causas tubárias

Obstrução das tubas uterinas não deixam que o óvulo seja fecundado e chegue até o útero, portanto, gera infertilidade. Essa condição pode ser causada por Chlamydia e Gonococo (inflamações pélvicas) e até mesmo endometriose.

2. Endometriose

É a presença de endométrio, a camada de músculo do útero, em outros lugares além do útero.

O problema da endometriose é que quando o endométrio uterino se prolifera, naturalmente, para a menstruação, o endométrio de fora do útero faz o mesmo, o que causa dor e sangramento nesses locais. Se a endometriose acontecer no ovário ou nas tubas uterinas, pode levar à infertilidade!

3. Alterações de ovulação

Não é raro que as mulheres tenham uma ou outra alteração de ovulação ao longo do ciclo. No entanto, quando a mulher percebe falta de ovulação na maioria ou em todos os ciclos, isso se torna um problema de fertilidade. Afinal, sem ovulação não é possível ocorrer a gestação.

4. Causas uterinas

Sabemos que o útero pode sofrer algumas alterações: malformações, pólipos, miomas ou aderências que impedem a nidação – ou seja, que o óvulo se fixe ao endométrio. Assim, não há o desenvolvimento de uma gravidez ainda que o óvulo seja fecundado.

Porém, assim como nos homens, algumas vezes a causa de infertilidade na mulher também não é identificada!

Além disso, algumas causas de fertilidade são tratáveis, enquanto outras não. Por isso, é essencial procurar um médico caso você esteja tentando engravidar há mais de 12 meses. Afinal, só ele é capaz de diagnosticar a causa e indicar o melhor tratamento para você!

Fatores de Risco para Infertilidade

infertilidade

Existem alguns fatores que aumentam a chance de infertilidade, entre eles estão:

  • Idade: quanto mais velhos, tanto o homem quanto a mulher, menor a probabilidade de acontecer uma gravidez;
  • Criptorquidia ou infecções de testículo;
  • Medicamentos: alguns medicamentos alteram a ovulação ou a produção de espermatozoides;
  • Alterações uterinas ou tubárias.

Diagnóstico

Para realizar o diagnóstico da causa de infertilidade são necessários alguns exames. Mas, antes de qualquer coisa é importante conhecer a história do casal:

  • Há quanto tempo estão tentando?
  • Já engravidaram alguma vez?
  • Qual a frequência de relações sexuais?

Pode parecer óbvio, mas: para a gravidez acontecer, o casal precisa fazer sexo com uma certa frequência! Afinal, isso aumenta a chance do espermatozoide estar presente na mulher na hora da ovulação!

Os 4 exames essenciais que devem ser feitos para diagnóstico de infertilidade são:

  • Espermograma: exame que faz contagem e avaliação dos espermatozoides. É feito a partir da análise, no laboratório, do esperma do homem;
  • Avaliação hormonal: Mede-se uma série de hormônios na mulher para ver se ela ovula. Portanto, precisa-se medir FSH, LH e estradiol entre o 1° e 4° dias do ciclo, progesterona entre o 18° e 22° dias do ciclo e prolactina;
  • Ultrassonografia transvaginal: permite avaliar o útero, sendo possível observar o endométrio, presença de miomas, aderências, pólipos etc;
  • Uterossalpingografia: É um raio X com contraste que permite ver se as tubas uterinas estão normais ou se há alguma obstrução.

Além desses exames, pode-se solicitar outros exames hormonais (TSH, T3, T4 livre, cortisol, testosterona e SDHEA), bem como testes sorológicos (Hepatites, HTLV, HIV, sífilis, toxoplasmose, citomegalovírus, rubéola e zika vírus).

Tratamentos

Naturalmente, o tratamento para infertilidade depende do problema que gerou a infertilidade. Dessa forma, existem 3 principais frentes de tratamento, confira:

1. Terapia de reposição hormonal

É feita quando a causa de infertilidade é hormonal. Portanto, em homens com baixa testosterona ou em mulheres que não ovulam adequadamente, se repõem os hormônios necessários para que essas falhas se corrijam.

Por isso, é muito comum que mulheres que estão fazendo tratamento para engravidar tomem progesterona e estrogênio para induzir a ovulação.

2. Tratamento da doença de base

Se a infertilidade ocorreu por outras doenças, como varicocele, miomas, endometriose, o tratamento dessas doenças seria suficiente para reverter a infertilidade. No entanto, nem sempre essa reversão é possível! Por isso, a consulta com o médico é tão importante!

3. Fertilização 

Fertilização In vivo (inseminação intrauterina):

Em algumas situações, como quando o homem têm infertilidade por obstrução, mas produz espermatozoides adequadamente, é possível fazer a fertilização in vivo, uma das técnicas de reprodução assistida.

Nesse caso, se retiram os espermatozoides do testículo do homem por punção direto na bolsa escrotal, usando uma seringa. Os espermatozoides retirados são, então, colocados dentro do óvulo da mulher (que deve estar no momento da ovulação).

Essa técnica também é usada no caso de infertilidade idiopática ou após estimulação da ovulação por terapia de reposição hormonal.

Fertilização In vitro:

Se a causa de infertilidade for por alteração de tubas uterinas ou uma alteração grande dos espermatozoides, pode-se optar por fertilização in vitro. Ela consiste na retirada de óvulos da mulher e de espermatozoides do homem, que são unidos em laboratório e, depois, implantados no útero da mulher.

Para isso, se faz uma hiperestimulação dos ovários, tornando possível a captação de muitos óvulos. Já o espermatozoide se recolhe ou diretamente do esperma ou, se não for possível, do próprio testículo por punção.

4. Coito programado

Além dessas possibilidades, existe um tratamento mais simples que é o coito programado. Ele consiste em ter relação sexual no período exato de ovulação. Geralmente, se indica para casos em que a infertilidade feminina é hormonal e o homem não tem infertilidade.

Assim, se estimula a ovulação por reposição hormonal e programa-se o coito para o momento em que os óvulos estiverem prontos para serem fecundados. Dessa forma, aumenta-se as chances de sucesso da fecundação na maioria dos casos!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 5

Compartilhe com seus amigos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Artigos Relacionados