Hemorroidas: Causas, prevenção e tratamentos

Equipe Eurekka

Você sabe o que são as hemorroidas? Com certeza conhece alguém que tem, ou você mesmo pode ter! Afinal, é muito comum que as pessoas tenham hemorroidas. Metade das pessoas com mais de 50 anos, por exemplo, têm hemorroidas.

Por isso, nesse texto você descobre tudo sobre elas: o que são, causas, fatores de risco e até o que fazer quando elas aparecem.

O que é hemorroidas?

Mulher com dor de barriga

Na medicina, hemorroidas é o nome dado a coxins vasculares que se localizam nas pontas internas e externa do canal anal. Esses coxins são formados por vênulas e arteríolas e sua função é proteger o canal anal quando se vai defecar, além de contribuir para a continência fecal.

Quando as hemorroidas sofrem alguma alteração e dão sintomas como dor, sangramento, dilatação entre outros acontece a chamada doença hemorroidária. Essa doença é chamada de hemorroidas. Assim, ao longo do texto chamaremos de hemorroidas a doença hemorroidária para melhor entendimento.

Causas

A hemorroida é uma doença muito comum, em especial após os 50 anos. Por isso é importante conhecer os fatores associados a ela, a fim de os evitar ao longo da vida. São eles:

  • Predisposição familiar
  • Dificuldade para evacuar: comum em pessoas com intestino preso
  • Prolapso anormal do plexo hemorroidario: o plexo hemorroidário é um conjunto de vasos que faz a irrigação da região anal e retal
  • Hábitos de defecação errados como segurar muito ou ficar muito tempo sentado no vaso sanitário
  • Diarreia crônica
  • Doenças no fígado
  • Uso abusivo de laxantes
  • Gravidez
  • Atividade profissional que levante muito peso como halterofilista e crossfit ou que fique muito tempo agachado como mecânico de automóveis.

Tipos

Se classifica as hemorroidas de acordo com sua localização anatômica em interna, externas ou mistas. Confira:

Internas

Localizadas acima da linha pectínea, uma linha que delimita a transição entre o epitélio escamoso e não escamoso que reveste o canal anal e o reto. Estão associadas com o plexo hemorroidário superior  e não são dolorosas.

As hemorroidas internas possuem 4 graus de acordo com o tipo de prolapso e os sintomas:

  • Grau 1: Quando as hemorroidas não se exteriorizam, ou seja, não saem pelo ânus. Mas, apesar disso, acontece sangramento
  • Grau 2: Acontece prolapso, ou seja, exteriorização das hemorroidas com o aumento de pressão. Contudo, elas voltam sozinhas para o local depois do esforço
  • Grau 3: As hemorroidas se exteriorizam e só voltam se forem empurradas para dentro
  • Grau 4: acontece prolapso que não volta nem com compressão manual

Externa

Se localizam abaixo da linha pectínea e são subcutâneas, ou seja, são recobertas por pele. Devido a isso, essas hemorroidas não são dolorosas.

Se irrigam pelo plexo hemorroidário inferior e não recebem classificação pois estão sempre prolapsadas.

Mista

Nesse caso acontece a hemorroida interna e externa ao mesmo tempo

Sintomas de hemorroidas

mulher com hemorroidas

Os sintomas das hemorroidas depende do tipo de hemorroida que se tem.

Assim, o principal sintoma das hemorroidas internas é o sangramento sem dor. Esse sangue é de um vermelho vivo que sai logo depois da evacuação, sujando o vaso sanitário e o papel higiênico. 

A hemorroida externa pode apresentar dor, mas mesmo nesse caso ela é mais comum quando acontecer trombose ou inflamação concomitante.

O prolapso também é um sintoma muito comum e é percebido por uma sensação de saída da parede do ânus durante a defecação.

Outro sintoma bastante comum é a coceira. Ela acontece pois há glândulas que formam muco na região. Essas glândulas têm orifícios de saída na linha pectínea, e é por onde o muco sai. Quando há hemorroidas acontece uma maior saída de muco, o que deixa a pele da região úmida, causando coceira.

Como saber se a pessoa tem hemorroidas?

Uma vez que existem hemorroidas interna e externa, nem sempre é fácil saber se alguém tem hemorroida. Entretanto, se alguém tiver os sintomas descritos e algum dos fatores relacionados a sua causa, é bem provável que ela tenha hemorroidas. Ainda assim, é essencial ir ao médico para que ele diagnostique.

Diagnóstico: qual médico procurar e quais exames fazer?

O médico que cuida das hemorroidas é o proctologista, ou seja, um especialista em cólon, reto e ânus.

O diagnóstico é clínico, ou seja, não precisa de exames extras. Só a história do paciente e o exame físico já são suficientes para diagnosticar a doença hemorroidária.  Dessa forma, na consulta, o médico fará um exame físico no qual realizará um toque retal, uma inspeção estática e dinâmica e uma anuscopia ou retossigmoidoscopia. Esses exames serão explicados a seguir:

  • Inspeção nada mais é do que observar a região. Estática é com o paciente parado. Já dinâmica é com o paciente fazendo algum movimento, no caso, fazendo força como se fosse evacuar
  • Toque retal, como o nome diz, é tocar o reto. Esse exame não serve para o diagnóstico das hemorroidas em si mas para o diagnóstico de outras doenças que têm sintomas parecidos, como tumores.
  • Anuscopia é a visualização do ânus por um aparelho muito parecido com o da colonoscopia. Ele permite ver as hemorroidas internas que não estão prolapsadas. Esse exame se faz no próprio consultório do médico
  • A retossigmoidoscopia é muito parecida com a anuscopia mas permite ver  o reto e o sigmoide. Assim como o toque retal serve para fazer diagnósticos diferenciais.

banner eurekka med

Tratamento das hemorroidas

O tratamento das hemorróidas também depende do tipo dela. Para todos os tipos de hemorroidas se pode usar o tratamento clínico, ou seja, não cirúrgico. Entretanto, para hemorroidas externas e internas grau 3 e 4 o tratamento cirúrgico também é necessário,

Assim, dividiremos a explicação do tratamento em dois:

Conservador

Pode ser realizado em qualquer tipo de hemorroidas a fim de melhorar o quadro. Mas, se usado sozinho, só serve para curar os graus 1 e 2 das hemorroidas internas.

Também é indicado o tratamento conservador exclusivo para aquelas pessoas cuja cirurgia é um risco muito alto. Se encaixam nesse caso: gestantes no terceiro trimestre de gravidez, pessoas com problema de coração ou pulmão grave, pessoas com doença de coagulação ou pessoas com doença inflamatória intestinal.

Esse tipo de tratamento se baseia em mudanças de estilo de vida. Dessa forma, é indicado:

  • Dieta rica em fibras e líquidos para melhorar o trânsito intestinal
  • Diminuição de álcool, pois irrita a mucosa do intestino
  • Substituição da limpeza com papel por duchas ou banhos de assento
  • Exercícios físicos, o que também melhora o trânsito intestinal.

Também se indicam alguns medicamentos:

  • Laxantes: Apenas caso só a dieta e os exercícios físicos não surjam efeito. Se deve usar os formadores de bolo fecal como metilcelulose, ou osmóticos, como lactulose.
  • Pomadas e supositórios com o objetivo de anestesiar o local.

Cirurgia de hemorroida

No caso de hemorroidas externas, graus 3 ou 4 se opta pelo tratamento cirúrgico. A hemorroidectomia é o mais usado e se trata da retirada do tecido doente. Pode ser feita por técnica de cirurgia aberta ou fechada, mas de forma geral se faz por cirurgia aberta.

Há outra técnica que não tira as áreas doentes mas só as fixam no local certo, para que não prolapsem mais. Essa técnica é menos usada e de forma geral é feita em pacientes que têm pouco prolapso.

Após a cirurgia podem acontecer algumas complicações como dor, sangramento, infecção, incontinência fecal, retenção urinária, fissura anal entre outras.

Outros tratamentos

Se as hemorroidas graus 1 e 2 não responderem às medidas conservadoras, o tratamento deve ser mais invasivo. Assim, se deve partir para ligaduras elásticas, escleroterapia ou fotocoagulação.

  • Ligadura elástica: se coloca um anel de silicone no plexo hemorroidário doente causando sua necrose. Se faz esse procedimento no consultório e se pode repetir mais de uma vez
  • Escleroterapia: se aplica uma substância nas veias doentes do plexo hemorroidário para às diminuir ou as eliminar
  • Fotocoagulação: se usa radiação infravermelha para tratar as hemorroidas.

Hemorroidas na Gravidez

hemorroidas e gravidez

É comum que muitas mulheres apresentem hemorroidas na gravidez. Isso acontece pois, com o crescimento do bebê, os demais órgãos ficam com menos espaço dentro do corpo da mulher. Assim, o intestino sofre mais pressão e têm menos espaço para se movimentar, o que causa constipação. Esse aumento de pressão mais a constipação são fatores que levam à hemorroida na gravidez.

Dicas para diminuir o risco e evitar dores

Para reduzir os riscos é importante ter uma dieta rica em fibras, beber bastante água e fazer exercícios físicos na medida do possível. Isso contribuirá para que o intestino funcione melhor. 

Além disso, evitar segurar a evacuação quando tiver vontade e não ficar mais tempo do que o necessário sentada no vaso sanitário também ajuda.

Quanto às dores: pomadas e analgésicos podem ajudar. Mas estes devem ser prescritos pelo médico. Pois muitos medicamentos podem fazer mal para o bebê. Portanto, toda mulher grávida, antes de tomar qualquer medicamento, deve consultar seu médico.

Trombose e hemorroidas

 As hemorroidas, na maioria das vezes externas, podem levar a uma trombose na região. Nesse caso o paciente apresenta dor no ânus após a trombose, acompanhada da presença de um abaulamento no ânus. Em seguida acontece um endurecimento na região com muita dor, que só passa depois de uma semana. Após um mês o paciente não tem mais a trombose, mas no local onde ocorreu a trombose fica uma prega de pele chamada de plicoma anal.

O tratamento da trombose também é conservador mas pode-se associar banhos de assento com água morna, analgésicos, anti-inflamatórios e pomadas a fim de diminuir a dor e o inchaço.

Como reduzir a coceira das hemorroidas?

A coceira reduz com o próprio tratamento das hemorroidas. Ainda, pode-se usar pomadas que anestesiem o local, assim não se sente as coceiras. Mas esse não é o tratamento, apenas um alívio momentâneo.

Medicamentos e pomadas para hemorroidas

Como já discutido no tratamento, alguns medicamentos e pomadas diminuem a dor e a coceira provocadas pelas hemorroidas. 

Após a cirurgia elas podem voltar?

A depender da cirurgia feita, sim. Caso a técnica usada seja a de retirar todo o plexo hemorroidário doente ela não pode voltar, pois não existem mais hemorroidas. Contudo, se a cirurgia for aquela cuja técnica é apenas fixar mais acima, então sim, pode voltar.

Como cuidar e prevenir as hemorroidas

sofrimento do hemorroidas

A forma de cuidar e prevenir as hemorróidas está muito de acordo com o tratamento delas, assim como evitar suas causas:

Pomadas

Pomadas receitadas por médicos ajudam a aliviar os sintomas das hemorroidas como dor e coceira.

Roupas íntimas de algodão

Na presença das hemorroidas, roupas íntimas de algodão podem ser mais confortáveis e permitir mais oxigenação da área, o que evita que aconteçam infecções concomitantes.

Banhos de Assento

Banhos de assento são bons para aliviar os sintomas de dor e desconforto provocados pela hemorroidas.

Alimentação

Uma alimentação balanceada e rica em fibras ajuda o intestino a funcionar bem, evitando constipação que causa hemorroidas.

Exercício físico

Assim como a alimentação, ajuda no combate da constipação intestinal.

Evite coçar a área

Pois coçar a área das hemorroidas pode causar ferimentos que podem infectar, agravando o quadro.

Aproveite pra acessar os nossos conteúdos grátis, clicando na rede social que preferir: TerapiaFacebookInstagram e Youtube ou através de nosso Aplicativo!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 0

Equipe Eurekka

One reply on “Hemorroidas: Causas, prevenção e tratamentos”

Leave a Reply

Your email address will not be published.