Duloxetina: para o que serve e como tomar?

Equipe Eurekka

A Duloxetina é um remédio antidepressivo utilizado para tratar alguns quadros psiquiátricos e outros problemas, como a fibromialgia. Talvez você já até conheça por um de seus nomes comercias, como o Cymbalta.

Ao longo do texto, você irá entender o que é a Duloxetina, para que é indicada e quais são as contraindicações. Além disso, você vai descobrir quais são os efeitos adversos, como é a interação com outros remédios e muito mais.

Vamos lá?

O que é?

A Duloxetina é um remédio que atua como um antidepressivo. Ele age no sistema nervoso central como um inibidor seletivo de recaptação da serotonina e noradrenalina (IRSN).

Ela é um medicamento para terapia sistêmica, assim, afeta todo o organismo. 

Além disso, ela também é conhecida pelo código LY248686, que é um potente inibidor da recaptação dupla da serotonina(5-hidroxitriptamina, 5-HT) e da noradrenalina(NA). Assim, possui afinidades comparáveis na ligação aos locais do transportador de NE e 5-HT.

Outro ponto importante é que, ela é um inibidor menos potente da recaptação da dopamina.

Para o que ela é indicada?

Se utiliza Duloxetina para tratar o transtorno depressivo maior(MDD), transtorno de ansiedade generalizada(TAG), as dores relacionadas à neuropatia periférica diabética e também na incontinência urinária de esforço(IUE), mas, ainda é incerto nesta última.

Além disso, também se utiliza a Duloxetina para tratar a fibromialgia, dores musculares crônicas e dores nas articulações. 

duloxetina

Como a Duloxetina age no organismo?

O mecanismo de ação da duloxetina está relacionada com a potencialização das atividades serotoninérgicas e noradrenérgicas no sistema nervoso central(SNC). Dessa forma, ocorre as atividades inibidoras da dor e a ativação dos mecanismos antidepressivos

E, como falamos acima, se utiliza a Duloxetina para tratar a incontinência urinária de esforço (IUE). Mesmo que seu mecanismo de ação ainda seja, em partes, desconhecido. Mas já se levanta a hipótese da associação com o aumento das atividades da serotonina e da norepinefrina na atividade da medula espinal.

Assim, aumenta as forças de fechamento da uretra. E, por fim, reduz a perda involuntária de urina, reduzindo os sintomas da IUE.

Qual a dose recomendada?

  • No tratamento da dor neuropática associada à neuropatia periférica diabética e demais dores musculares crônicas, a dose usual é de 60 mg, uma vez por dia, independente das refeições. 
  • Para tratar a depressão, as doses de Duloxetina começam em 40 mg por dia (divididas em duas doses de 20 mg) e aumentando para 60 mg por dia (podendo ser ingerida de uma só vez ou em duas doses de 30 mg).
  • Já no caso da ansiedade, a dose inicial é de 60 mg por dia, via oral, uma vez por dia. A dose máxima da Duloxetina é de 120mg, mas, em algumas pessoas, recomenda-se a dose de no máximo 30 mg por dia. 
  • Para tratar a fibromialgia, a dose inicial é de 30 mg uma vez por dia. Assim, ao longo do tratamento, a dose usual é de 60 mg uma vez por dia. Todavia, a fibromialgia é condição crônica, e a eficácia do tratamento com duloxetina, segundo estudos, é por até três meses.  

Vale lembrar que, nos casos de depressão e ansiedade, é necessário não apenas o uso remédio, mas ter também a ajuda de um psicólogo. Sendo que o tratamento pode ser acelerado ao combinar psicoterapia com o uso regulado de remédios.

Então, se você perceber que sua saúde mental não está boa e tem sintomas físicos que incomodam você, que tal marcar uma conversa inicial com um de nossos psicólogos? Assim, ele vai poder analisar seu caso e direcionar você para o melhor tratamento!

banner terapia

Informações importantes sobre a Duloxetina

 Algumas informações sobre a Duloxetina precisam de atenção. Pois, ao fazer uso da Duloxetina, você preicsa saber das contraindicações, possíveis efeitos colaterais, o uso na gravidez e a combinação desse remédio com outros.

Então, dê uma olhada nos tópicos abaixo!

Contraindicações

 O uso da Duloxetina é contraindicado nas seguintes situações:

  • Utilização concomitante ou dentro de 2 semanas com um inibidor da MAO
  • Presença de Glaucoma de ângulo fechado não controlado. 
  • Apresentar hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer outro componente da formulação.

Efeitos adversos

Como todo remédio, a Duloxetina apresenta alguns efeitos indesejáveis, sendo uns mais comuns que outros. Então, confira aqui embaixo quais são essas possíveis reações:

Efeitos duloxetina

Mas vale lembrar que é importante consultar um médico para se informar sobre outros efeitos possíveis.

Gravidez e Aleitamento

A Duloxetina é um remédio de categoria C. E isso significa que estudos de reprodução animal mostraram um efeito adverso no feto, ou que não há estudos de reprodução animal e nem estudos controlados em humanos.

Ou seja, não se recomenda o uso para mulheres grávidas. Além disso, em lactantes o uso também não é recomendado.

Interações com o medicamento

Algumas interações, da Duloxetina com outro remédios, devem ser analisadas com cautela. Então, dê olhada na lista abaixo e confira se você faz uso de algum deles:

interações com a duloxetina

sede da Eurekka

Onde encontrar orientação especializada?

A Duloxetina, como qualquer outro remédio, deve ser prescrito por um médico. Além de tratamentos complementares serem sempre de ótima ajuda, como a psicoterapia.

Por isso, a Eurekka oferece atendimentos com Médicos e psicólogos para que você tenha o melhor resultado em seu tratamento. De modo a unir todo o que você precisa para viver melhor!

A Eurekka Med conta com médicos especialistas que estão prontos para orientar você, sempre de modo humanizado! Saiba mais clicando aqui! Além disso, os psicólogos da Eurekka também estão sempre disponíveis para ajudar você a cuidar da sua saúde mental! Clique aqui e marque uma conversa inicial!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 5

Equipe Eurekka

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.