Depressão infantil: o que é, como identificar e tratamentos

Equipe Eurekka

É comum que o assunto depressão esteja presente nas conversas dos adultos que, estressados pelo trabalho, pelas dificuldades com a família ou com alguma decepção própria do mundo de gente grande, desenvolvem o transtorno. E assim, a depressão infantil fica de lado e pouca atenção é dada a ela. 

Crianças cada vez mais solitárias, presas aos amigos virtuais como computadores, telefones e tablets, representam uma preocupação grande, por isso, algumas instituições como as da educação e da saúde vêm observando melhor esses quadros e tomando algumas atitudes.

E é isso que queremos mostrar neste texto: como identificar sinais de que seu filho está deprimido e precisa de ajuda psicológica.

criança triste

O que é depressão infantil?

Seu filho gostava de brincar, de ir à escola, de passear na casa dos amigos e vivia inventando brincadeiras diferentes em casa? Daí, aos poucos, você percebe que ele perde o interesse por essas atividades e insiste em ficar em casa, quieto, com sinais de tristeza persistente. 

Ele pode estar com depressão. Afinal, a depressão infantil é um transtorno psicológico caracterizado por este afastamento das brincadeiras e dos amiguinhos e a criança, que antes era ativa, fica mais recolhida. Ela reclama de cansaço, dor de cabeça ou barriga e você percebe que o rendimento escolar está ruim.

O que a Eurekka quer que você entenda é que, muitas vezes, os sinais são confundidos com birra ou timidez. Então, o conselho é: se este quadro persistir por mais de duas semanas, procure um pediatra ou psiquiatra infantil e peça uma avaliação.

Principais sintomas da depressão infantil

Os sintomas variam de acordo com a idade, mas em linhas gerais, são os seguintes:

  1. Rosto triste, corpo curvado, olhar distante, como se estivesse sempre olhando o horizonte;
  2. Falta de vontade de brincar, nem mesmo sozinha;
  3. Sonolência e falta de disposição para fazer qualquer coisa;
  4. Choro fácil, irritabilidade e birra sem motivo;
  5. Falta de apetite;
  6. Medo de ficar longe dos pais;
  7. Xixi na cama;
  8. Insônia e episódios de pesadelo.

Talvez você não saiba, mas a depressão é considerada infantil dos 6 meses de idade até 12 anos. A partir dos 12, a pessoa entra na adolescência e os sinais mudam um pouco, bem como os motivos que levam o adolescente a ficar deprimido.

Dos 6 meses de idade até 2 anos, por exemplo, o bebê deprimido se recusa a comer, não ganha o peso normal para a idade, tem atraso da linguagem e distúrbios do sono.

falta de apetite pode ser sinal de depressão infantil

Os sintomas são os mesmos dos adultos?

Alguns traços são semelhantes, como o afastamento dos amigos, a solidão e a tristeza. Mas os pequenos apresentam traços mais específicos como medo de ficar longe dos pais, baixa no rendimento escolar, fobia escolar, birras constantes e falta de vontade de brincar.

Para as crianças, é bem mais difícil enfrentar a depressão infantil, pois elas são muito pequenas para interpretar as emoções e dizer o que sentem. Por isso, só demonstram. Então a gente precisa ficar atento e evitar perguntas do tipo “O que você quer?”; “Por que está fazendo isso?”; “Não faz assim, é feio!”

Sinais alertas de que a criança está deprimida

Como dito antes, a criança está diferente, fica mais quieta, se afasta, chora com facilidade, não quer ir à escola, tem medo do espaço escolar. Modos de agir que não ocorriam antes passam a ser constantes como falta de apetite, sonolência e até mesmo voltar a fazer xixi na cama.

É uma falta de vontade generalizada que persiste por mais de duas semanas.

Causas

Os pais e professores devem ficar atentos, pois uma mudança de escola, de cidade ou o divórcio dos pais podem ser gatilhos para a criança  desenvolver o transtorno da depressão. Então, a dica é sempre prepará-la, na medida do possível, para as mudanças.

Você quer trocar seu filho de escola? Converse com ele antes, dê um tempo para ele ir entendendo a mudança. Seu casamento está com problemas? Não fique discutindo a relação na frente da criança e, se o divórcio ocorrer, também comunique isso à criança de uma maneira que ela possa entender, sem demonizar um dos parceiros.

Acompanhe as principais causas:

  • predisposição genética;
  • traumas por causa de algum tipo de abuso;
  • convívio familiar cheio de conflitos e discussões;
  • episódios que provocaram estresse acima do limite;
  • complicações durante a gestação;
  • problemas no sono;
  • outras doenças e até traços da personalidade da própria criança.
brinquedos antigos

O papel da escola na identificação dos sinais da depressão infantil

A escola é um espaço de interação, de brincadeiras e descobertas. As crianças adoram este espaço e se sentem felizes com os colegas, professores e com as oportunidades de aprender. Por isso, é também o momento que os professores têm para observar os sinais de que algo está fora dos padrões normais de modos de agir.

A gente sabe que quando larga uma bola na quadra, a criançada corre para inventar uma brincadeira. Quando o professor diz que hoje vai ter surpresa na aula de informática, os pequenos ficam agitados, pois são curiosos por natureza. 

E se a criança não se empolga com isso, evita e foge das atividades, não sorri, demonstra irritação com a atividade? Ora, o professor tem conhecimento suficiente sobre o desenvolvimento infantil para contar os fatos à família e encaminhar o caso para um especialista.

Professores não fazem diagnóstico, certo? A gente chama a atenção sobre isso, pois o diagnóstico da depressão infantil não é fácil e às vezes demora, então, algumas famílias se valem de um comentário feito pela escola para dizer isso ou aquilo sobre o aluno. Quem faz o diagnóstico, nesses casos, são pediatras, psicólogos e psiquiatras.

Intervenção psicopedagógica em sala de aula

Uma das características mais fortes da criança depressiva é a baixa autoestima, então é vital que o professor envolva essa criança em atividades que provem que ela é útil, que ela é necessária ali na escola.

O professor deve ficar atento a quais atividades essa criança faz com mais prazer e, a partir daí, envolvê-la com mais frequência nessas atividades. Quanto mais tempo ela ficar envolvida com coisas ou pessoas de que gosta, melhor para tratar o pequeno.

Lembrando que a atuação do professor é feita com a coordenação de um psicopedagogo e com um plano especial, pois, muitas vezes, essa criança precisa fazer atividades diferenciadas

Resumindo, o trabalho conjunto do professor e do psicopedagogo ou psicólogo tem como objetivo resgatar a autoestima e a autoconfiança da criança, portanto, quanto maior for o vínculo da criança com o professor, melhor.

diagnóstico de depressão em crianças

Como é feito o diagnóstico da depressão infantil?

O diagnóstico deve ter pelo menos 5 sinais da lista apontada pelo Manual de Estatística e Diagnóstico de Transtornos Mentais. E o critério mais importante é a persistência e a intensidade destes sinais. Por exemplo: seu filho está irritado e choroso no final de semana, não quis brincar com os primos… Isso não é motivo para os pais ficarem apavorados, pois é normal que as crianças oscilem o humor.

No entanto, se você nota este modo de agir por um período maior e a intensidade está fora dos limites, daí é motivo para procurar ajuda profissional.

Então, o primeiro passo é observar se os sinais do transtorno já ocorrem há mais de duas semanas. Isso deve ser feito pela família e pela escola. Depois, é necessário fazer uma avaliação com psicólogo, psiquiatra ou psicopedagogo. Esse processo pode demorar, pois vários testes devem ser feitos para descartar outras possibilidades. No entanto, quanto mais a família demorar para procurar ajuda, mais o caso se agrava.

A presença do psicopedagogo no diagnóstico é fundamental, pois este profissional analisa questões da aprendizagem e da rotina da criança na escola. E é ele que orientará os professores através de um plano especial para aquela criança.

Fatores de risco da depressão em crianças

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, os fatores de risco para a depressão infantil podem ser:

  1. problemas emocionais graves durante a gestação
  2. histórico familiar de depressão ou transtornos psiquiátricos;
  3. tentativa de suicídio em parente próximo; 
  4. depressão materna
  5. estresse tóxico na infância, incluindo agressões físicas, morais e verbais; 
  6. excesso de cobrança
  7. abuso sexual; entre outros.

Tratamento da depressão infantil

Tratar esta questão envolve várias frentes, como terapia, atendimento psicopedagógico, atendimento psicossocial para a família, ênfase em atividades físicas e lúdicas e, se for necessário, remédios.

atividades lúdicas ajudam a criança

Como funciona o tratamento?

A partir do momento que a família recebe o diagnóstico, é importante garantir que a criança resgate a sua vontade de brincar, de ir à escola, de interagir, que durma bem e que perca o medo de viver a sua rotina. Por isso, é importante que a criança e a família recebam atendimento, afinal, se a criança é tratada, mas a origem da sua depressão está no restante da família, não haverá sucesso no resultado.

É comum que os terapeutas usem a brincadeira como forma de se comunicar com a criança, pois através das atividades lúdicas, é possível observar as emoções da criança e com isso, ajudam os pequenos a melhorar a autoestima.

Como pais e professores podem ajudar no tratamento?

Não há dúvidas de que o esforço conjunto da família, professores e profissionais da saúde mental dá ótimos resultados. Então, a preocupação da Eurekka é mostrar que seu filho pode voltar a brincar com muita saúde e gastar toda a energia que toda criança tem. 

Para isso, você precisa caprichar no tratamento, reforçando em casa e na escola as orientações do psicólogo. A escola deve desenvolver um plano especial para a criança com depressão, para que ela se sinta bem no espaço escolar e queira curtir tudo que tem lá.

Afinal, é a qualidade da vida familiar e escolar que vai definir o sucesso do tratamento.

Depressão infantil tem cura?

A depressão infantil tem cura sim. Isso ocorre quando a criança não apresenta mais os sintomas e volta a ter uma vida normal. Também é vital que o diagnóstico seja feito cedo para que comece logo a tratar a criança.

Com terapia, acompanhamento psicopedagógico e, em alguns casos, remédios, a criança resgata a autoconfiança e tem sua saúde mental restabelecida.

A depressão pode deixar sequelas e traumas no meu filho?

Se for tratada da forma adequada, não vai deixar traumas nem sequelas. Mas é importante que essa criança seja acompanhada. Além disso, quando entrar na adolescência, a família e a escola devem continuar observando o modo de agir dela, pois esta fase é muito difícil para o jovem e de muitas oscilações emocionais.

Também não adianta fechar o tratamento, liberar a criança da terapia e a família voltar a discutir, dar maus exemplos de comportamento e deixar a criança de lado. É certo que essa criança voltará a ficar doente.

criança saudável

Como prevenir a depressão infantil?

A melhor prevenção é criar um ambiente saudável para a criança, tanto em casa quanto na escola. Mas como fazer isso?

Em casa, os pais devem estimular a criança a ter autonomia, evitando a superproteção. Dessa forma, ela fica forte e autoconfiante. Crianças que têm tudo de mão beijada e não precisam fazer esforço para conquistar as coisas correm mais risco de ter depressão.

Os pais também devem evitar brigas na frente da criança e episódios que invalidem os modos de agir dos filhos. Então, se a criança tirou uma nota ruim na escola, não desmereça a situação e não a compare com outras crianças. Ouça o que ela tem a dizer e combine com ela como isso pode ser resolvido.

Na escola, para prevenir a depressão infantil, os professores devem incentivar a atividade física, fazer brincadeiras que desenvolvam a autonomia e o prazer de estar naquele ambiente.

Uma coisa fundamental é ensinar a criança a tolerar a frustração, afinal, ela precisa entender que nem tudo sai como ela quer e que o fracasso é também uma forma de aperfeiçoar. Este aspecto pode ser trabalhado tanto em casa quanto na escola.

Gostou do conteúdo? Para ter acesso a mais artigos gratuitos como este, entre no nosso blog. E não esqueça de baixar nosso app também!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 5

Equipe Eurekka

Leave a Reply

Your email address will not be published.