Dependência química: o que é, sinais e tratamentos

Ana Caroline de França

Você, com certeza, já ouviu falar que a dependência química é um grande problema social e de saúde em vários lugares do mundo, incluindo o Brasil. Mas será que você sabe mesmo o que é  dependência química? Será que um fumante é dependente químico assim como um usuário de cocaína, por exemplo?

Nesse texto, você vai entender melhor o que é a dependência química, quais seus tipos, os tratamentos disponíveis e muito mais!

dependência química

O que é a dependência química? 

Primeiro, é bom entender que a dependência de qualquer substância que muda o modo de agir, podemos considerar uma dependência química. Ou seja: se a pessoa precisa do álcool, da maconha ou do cigarro para relaxar ou se sentir segura, por exemplo, essa pessoa é uma dependente química

Além disso, a dependência é uma doença crônica. Ou seja, a pessoa precisa se tratar de forma contínua. 

Quais são as dependências químicas?

A dependência química vai de acordo com o tipo de droga que a pessoa usa. Essas drogas podem ser:

  • remédios, como ansiolíticos ou calmantes;
  • substâncias lícitas, como álcool e nicotina;
  • ou, por fim, as ilícitas, como maconha, crack, cocaína, heroína, dentre outras. 

Lícitas: álcool e nicotina

É bem comum que o vício em álcool ou cigarro (nicotina) não seja visto como problemático. Isso ocorre pois os dois vícios são aceitos na parte social. Afinal, é fácil comprar e consumir bebidas ou cigarros em qualquer lugar.

No entanto, tanto o álcool como a nicotina alteram o Sistema Nervoso Central, mudando o estado emocional e comportamental do usuário. Assim, se uma pessoa sentir que precisa dessas substâncias para atingir um certo estado emocional ou de modo de agir, essa pessoa é dependente química.

Ilícitas: maconha, cocaína, crack e outros

As drogas ilícitas são substâncias químicas (naturais ou não) de consumo proibido por lei. Além disso, são capazes de mudar muito o modo de agir do usuário. Algumas das drogas ilícitas mais conhecidas incluem a maconha, a cocaína, o crack e a heroína.

Quando o usuário de droga é considerado dependente químico?

O que define um dependente químico é um conjunto de fatores que variam de pessoa para pessoa. Contudo, sintomas como: 

  • Mudança do modo de agir quando não tem acesso à substância;
  • Forte desejo pela substância; 
  • Dificuldade em controlar início, término e quantia do uso. 

É bom dizer que o número de usos de uma ou mais substâncias não está ligado à dependência, que pode ocorrer desde o primeiro uso.

alcóolatra e alcoolismo

O que leva uma pessoa à dependência química?

A dependência química ocorre em diferentes condições, que mudam de pessoa para pessoa. No entanto, há alguns fatores que, com frequência, resultam em dependência química. Como por exemplo:

Quando alguém está com o emocional frágil, é comum que precise de alguma substância para se sentir motivado ou menos preocupado. É nessa situação que há um grande risco da dependência química se desenvolver.  

  • Traumas emocionais

Após um trauma – o falecimento de alguém querido, o término de uma relação ou o rompimento de uma amizade, por exemplo – vem o sentimento de vulnerabilidade e frustração. Neste momento, a dependência química pode ocorrer como válvula de escape para as emoções desconfortáveis.

  • Depressão e quadros de ansiedade patológica.

Uma das características da depressão é a indiferença para tarefas que antes eram muito prazerosas. Por outro lado, níveis não saudáveis de ansiedade incapacitam a pessoa. Essas duas condições fazem com que a pessoa sinta necessidade de procurar substâncias químicas para reverter o quadro, o que não costuma dar certo.

  • Predisposição familiar, ambiental ou genética

Alguns estudos sugerem que há uma predisposição genética para a dependência química. Além disso, quando o ambiente favorece o uso de drogas (lícitas ou ilícitas), o acesso é mais fácil. 

banner psiquiatria na Eurekka

Como se livrar da dependência química?

Se livrar da dependência química é um processo diferente para cada pessoa. No entanto, é fundamental que o dependente químico entenda quando é necessário pedir ajuda – e que não há vergonha alguma nisso.

Os tipos de auxílio incluem tratamento psicológico e psiquiátrico. É fundamental entender que se ver livre da dependência química não depende só de força de vontade. Muita gente ainda pensa dessa forma e acaba adiando ainda mais a procura pelo tratamento correto. 

Quais são os tipos de tratamento para uma dependência química? 

Em geral, o tratamento tem, pelo menos, apoio médico e psicológico. O tratamento médico-psiquiátrico é vital por conta da abstinência. Ou seja, quando o corpo se dá conta de que está sem a substância. Como o cérebro já associou aquele composto com satisfação e felicidade, ele manda sinais de que precisa dele.

Também é preciso tratar o porquê de o dependente sentir a necessidade da mudar o modo de agir, algo que a substância causa. Ficar bem, se consolar ou se acalmar devem ser processos que a pessoa consiga fazer sem depender de substâncias. É por isso que o acompanhamento psicológico também é vital no tratamento. 

dependência química

Como funciona o cérebro de um ex-dependente químico?

A dependência química ocorre quando substâncias agem no cérebro ativando o sistema de recompensa, que é responsável por liberar a sensação de prazer e satisfação

Quando uma substância interfere no sistema de recompensa várias vezes (ou em uma vez muito forte), o cérebro entende que não é mais capaz de ativar esse mecanismo sem a ajuda dessa substância. É aí que ocorre a dependência química. 

Um dependente químico em tratamento precisa reeducar o cérebro para que ele perceba de novo que pode ativar esse mecanismo sem a interferência de substâncias. Esse é um processo longo e delicado, e uma equipe de especialistas deve assumir.

Terapia e psiquiatria para dependência química

A terapia discute comportamentos e objetivos. Ao entender melhor a origem da dependência química, fica mais fácil achar jeitos benéficos de ter a sensação que a pessoa procura. Além disso, o psicólogo também ajuda o dependente a reconhecer seu próprio progresso, o que pode ser difícil em um processo tão delicado como o tratamento.

Já a psiquiatria atua na parte física da dependência. O cérebro de um dependente químico precisa fazer novas associações e recuperar padrões perdidos. Por isso, se tratar com um psiquiatra adequado é vital para que essa reconstrução ocorra da melhor forma.

psiquiatra psiquiatria eurekka med

Tratando a dependência química na Eurekka Med

Não dá para tratar a dependência química de qualquer jeito: precisa de um atendimento humanizado, atencioso e personalizado. Afinal, as substâncias que causam dependência agem de maneiras diferentes no cérebro.

Se livrar da dependência é muito mais fácil com a ajuda de uma equipe que se preocupa de verdade com você. Na Eurekka Med, você encontra profissionais que levam esses pontos vitais em consideração e se preocupam de verdade com o progresso dos pacientes. 

A Eurekka Med também atende casos de dependência química. Mais do que isso: temos psiquiatras com especialidades que podem te ajudar, em especial, com problemas de dependência química. Por isso, marque hoje mesmo a sua consulta online na Eurekka Med!

Por fim, se quiser mais conteúdo gratuito, você pode acessar outros textos do nosso blog. Além disso, veja também todos os nossos conteúdos no nosso aplicativo e em nossas redes sociais: Instagram,  Facebook e YouTube!

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 0

Ana Caroline de França

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *