Baixa autoestima: quais as causas, sintomas e como melhorar?

Eurekka Psicólogos

Você sente que é uma pessoa incapaz? Já sentiu que ninguém gosta de você, que você não é merecedor de grandes conquistas ou então que tudo que você tentasse fazer daria errado? Se a resposta para essas perguntas foram “sim”, talvez você esteja sofrendo com a baixa autoestima.

A baixa autoestima pode estar prejudicando a sua vida e te fazendo conquistar cada vez menos coisas por não não se achar merecedor, ou até mesmo te levando à uma depressão. Mas isso não precisa continuar assim!

Por isso, no texto de hoje, você vai descobrir quais os sintomas, as causas e as consequências da baixa autoestima para a sua qualidade de vida. E no final ainda vamos te ensinar formas práticas de, finalmente, melhorar essa situação!

O que é baixa autoestima?

De forma resumida, é a opinião que você tem de você mesmo. Se essa opinião é positiva e você se considera uma pessoa capaz e forte, a gente diz que você tem alta autoestima. Por outro lado, se essa opinião é negativa e você se considera uma pessoa frágil e indefesa, nós dizemos que você tem baixa autoestima.

O nível ser alto ou baixo não influencia só nos pensamentos que você tem sobre si mesmo, mas também influencia na sua autoconfiança e na sua segurança nos relacionamentos.

Baixa autoestima é doença?

Baixa autoestima e selfies

Apesar de ser um sintoma comum de várias doenças, como depressão, transtornos de ansiedade e transtornos de personalidade, ela não é uma doença catalogada.

Ou seja, um psiquiatra ou um psicólogo não podem dar um diagnóstico de baixa autoestima para você. No entanto, eles podem reconhecer que aumentá-la é um objetivo valioso e pode te ajudar a viver uma vida melhor!

Quais são as causas da baixa autoestima?

A baixa autoestima pode surgir de várias formas. Analisando, é possível perceber que as atitudes de uma pessoa são o principal indicador do estado da autoestima de alguém.

Sendo assim, mais do que o que alguém fala ou o que pensa, as atitudes daquela pessoa formam a maior parte da opinião. Dessa forma, por essa mesma lógica, são as suas atitudes que vão ter o maior impacto em aumentar ou diminuir a sua autoestima.

Quais são os sintomas de baixa autoestima?

Existem vários sinais de que a autoestima de alguém está decaindo e, para que você não precise chegar ao fundo do poço para perceber que a sua autoestima anda baixa, seguem algumas dicas de fatores que podem indicar que a sua está caindo:

1. Ter diálogos mentais negativos constantes

A psicologia moderna entende que a mente humana é muito mais pessimista do que otimista por natureza. Isso faz com que a maioria dos pensamentos que uma pessoa normal tem sejam pensamentos negativos.

Alguns pensamentos muito naturais são:

  • Medos com relação ao futuro: “E se meu plano der errado? E se eu não conseguir chegar a tempo? E se eu nunca for capaz de fazer um bom trabalho?”;
  • Memórias dolorosas do passado e sentimento de culpa: “Eu não deveria ter dito aquilo para meu amigo!” “Como eu fui idiota de agir daquele jeito anos atrás.” “Tudo deu errado porque ano passado eu fiz X e Y!”;
  • Preocupações sobre as nossas falhas: “Não acredito que eu errei isso/fiz isso”, “Eu sou muito burro, como é possível”, “Eu fiz papel de idiota na frente de todo mundo”, “Não quero fazer isso pois sei que vou errar”.

O problema da pessoa com baixa autoestima é que ela transforma um pensamento negativo em dois, três, quatro, dez etc. Ou seja, isso se torna um diálogo mental negativo que, conforme vai ficando mais longo, te deixa ainda mais triste e mais desconectado do momento presente.

2. Desistir de objetivos antes de começar

Como uma pessoa com baixa autoestima não acredita ser capaz de cumprir objetivos, é muito comum que ela desista deles antes mesmo de começar. No entanto, quando você desiste de uma coisa antes mesmo de começar, tem 100% de chance de ela não dar certo, não é?

Assim, essa desistência faz com que você reforce a ideia de que você é incapaz, desistindo de novo na próxima vez. Inclusive, por mais incrível que pareça, a baixa autoestima também está relacionada com a procrastinação.

3. Desmarcar compromissos por insegurança com aparência

A baixa autoestima pode fazer você se comparar fisicamente com os outros. Nessas comparações, o resultado mais comum é a conclusão de que a pessoa sua aparência é pior que a dos demais.

Essa é uma questão que aparece muito por conta da nossa atual relação com as redes sociais onde todos são “lindos e perfeitos”, mas que geralmente mostra algo muito distante da realidade.

Como o Instagram não costuma mostrar aquela pessoa que acorda descabelada, que não se arrumou por conta de problemas em casa e tantas outras situações, você acaba sentindo que todos estão sempre na sua “melhor versão” e, ao olhar para si, pode não se sentir assim, o que é um forte golpe na sua autoestima.

4. Crises de ciúme em relações amorosas

A pessoa com baixa autoestima se considera alguém de baixo valor e, assim, também acaba se considerando alguém mais substituível do que os outros.

Para uma pessoa assim, é muito comum pensar que os outros estariam melhores sem eles e que eles são um peso na vida das pessoas.

É exatamente por isso que o ciúme aparece com muita força em relações com pessoas de baixa autoestima. Afinal, esse medo de ser substituído e essa crença de que você não tem valor deixam você paranoico o tempo todo.

Quais são as consequências da baixa autoestima?

Uma das principais consequências da baixa autoestima é você se isolar dentro da sua zona de conforto. A sua crença de que você é uma pessoa incapaz pode criar um ciclo vicioso que, dessa forma, aumenta o número de desistências em todas as áreas da sua vida.

Você desiste de praticar atividade física, pois se acha gorda; desiste de sair com suas amigas, porque se acha feia; desiste da faculdade, pois sente que não é capaz e não vai dar conta.

Quanto mais você desistir, menos empolgante a sua vida fica. O que sobra é o sofrimento banal do dia a dia. Por consequência, sua vida vai se tornando com menos brilho e mais sem graça o que pode, inclusive, levar à quadros de depressão.

Baixa autoestima x aparência

Baixa autoestima e aparência nas mulheres

Não se achar bonita é uma das mais comuns queixas de autoestima na terapia.

No geral, essa é uma reclamação trazida na terapia, em especial pelo público feminino. Dentro da nossa experiência, como uma clínica de psicologia, o que podemos dizer é que cuidar mais da sua aparência pode aumentar a sua autoconfiança e a sua autoestima.

As pesquisas científicas mostram que pessoas que se cuidam mais têm uma maior chance de serem bem tratadas, de serem aceitas em entrevistas de emprego e de encontrarem um par romântico.

Por isso, a gente não pode ser hipócrita e dizer que não vale a pena cuidar da sua aparência. Além disso, o que precisa ficar claro é que existe o perigo do exagero. Quando você está sempre se comparando com pessoas que escolheram a profissão da beleza para viver (como modelos de Instagram, influenciadores e musas fitness), essa comparação não é saudável.

A melhor comparação que você pode fazer é se comparar com você mesmo no passado, garantindo que você está fazendo pequenas mudanças para se cuidar mais no seu íntimo.

Além disso, é claro, sua autoestima não é composta apenas pela sua aparência física. Por isso, garantir que você vem fazendo coisas importantes para você como investir em relacionamentos com amigos, familiares e outras pessoas importantes, trabalhar em projetos, estudar, fazer exercício e muito mais, também são fatores protetivos da sua autoestima.

Baixa autoestima e distúrbios psicológicos

Apesar da baixa autoestima não ser uma doença, ela é um sintoma que aparece em vários outros diagnósticos. Por exemplo, um dos nove sintomas para se diagnosticar depressão é ter pensamentos constantes de desesperança e de culpa.

Transtorno de personalidade borderline, transtorno bipolar e síndrome do pânico são outros exemplos de transtornos que podem ter influência da baixa autoestima.

O que fazer para melhorar a autoestima?

Por muito tempo se acreditou que a melhor solução para aumentar a autoestima fosse pensar positivo. Entretanto hoje a ciência psicológica mais moderna entende que a resposta, na verdade, é agir positivo.

Afinal, se você forma a opinião de alguém com base nas atitudes da pessoa, por que o processo de formar opinião sobre você mesmo não seria igual?

Por isso, o melhor segredo para aumentar a autoestima é aumentar a quantidade de atitudes positivas na sua vida. E atitudes positivas são qualquer atitude que te deixe orgulhoso de si mesmo.

Quanto mais você consegue organizar o seu dia, para encher ele com pequenas missões que te dão uma sensação de missão cumprida constante, mais você vê na prática que você é capaz e forte.

Repetir frases positivas para si mesmo no espelho pode até enganar o seu cérebro por alguns segundos, mas são as atitudes novas que vão convencê-lo de verdade!

Como ajudar uma pessoa com baixa autoestima?

Por essa lógica, a melhor forma de ajudar alguém com autoestima baixa é incentivando a pessoa a fazer mais atitudes positivas. Em uma conversa, você pode tentar descobrir quais atitudes despertam essa sensação de orgulho de si próprio na pessoa e , a partir disso, dar sugestões para aumentar a presença dessas atitudes.

Se essas atitudes também fazem bem para você, você pode ser uma companhia para aquela pessoa e os dois aumentarem a autoestima juntos.

Terapia para equilibrar a autoestima com a Eurekka

A Eurekka é uma clínica de psicologia que atende centenas de pacientes pela terapia presencial e online, pelo mundo todo.

Um dos maiores diferenciais da Eurekka é, justamente, o nosso foco prático em aumentar as atitudes positivas na sua vida. Para isso, mais do que pensar positivo, os nossos psicólogos acreditam que é necessário agir positivo. Na terapia, você cria um plano, passo a passo, para descobrir que atitudes são essas que te dão orgulho e, dessa forma, se sentir melhor.

Se o problema da baixa autoestima é parte da sua vida hoje, não deixe de clicar aqui e marcar uma conversa inicial com um de nossos terapeutas!

Durante o processo é importante que você esteja consciente de que o progresso, por mais que pareça bom e rápido de início, pode travar – ou até mesmo regredir. Para isso, garantimos que nossos terapeutas realizem um tratamento humanizado e que leve em consideração como você está sentindo o avanço e, caso tenha qualquer dúvida, basta entrar em contato com o setor administrativo!

Por fim, para ver todos os posts gratuitos da Eurekka é só acessar nosso blog, clicando nesse link. Além disso, aproveite e veja também todos os nossos conteúdos no nosso aplicativo e em nossas redes sociais: InstagramFacebook e YouTube!

Parabéns por ter chegado até aqui! A gente quer interagir com você, então pode comentar aqui embaixo que a gente promete responder, tá?

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 4.22

Eurekka Psicólogos

23 replies on “Baixa autoestima: quais as causas, sintomas e como melhorar?”

Incrível como me descreveu… Passo exatamente por tudo isso. Cheguei em um nível que não consigo sair com amigos (Que não são muitos, pq me afasto de todo), por causa da minha aparência. E cada vez que me olho no espelho sei bem o que preciso mudar, mas tenho medo de procedimentos estéticos… junta tudo. 😭😭😭😭

Achei o artigo bem completo. Estava acostumada com os posts e vídeos mais concursos do Instagram, mas ler esse texto que aborda esse assunto de forma mais “aprofundada” foi muito bom! Obrigada gente!

Que ótimo, Vanderléia! Que bom que gostou 💛 Aqui no blog tentamos sempre aprofundar os temas para que vocês consigam aprender ainda mais! Já que gostou, vou deixar mais um aqui para você ler, o que acha? https://eurekka.me/autoestima

“Afinal, se você forma a opinião de alguém com base nas atitudes da pessoa, por que o processo de formar opinião sobre você mesmo não seria igual?”

essa pergunta faz total sentido. e eu também gostei muito do trecho sobre ajudar outros que tem baixa autoestima.
muito obrigada! vou compartilhar esse texto, não de dizer o quando vocês são incríveis!

As vezes fico pasma como estamos em sintonia… Sempre serei grata pelos conselhos amorosos. Acredito na pisicologia, e estou sempre encantada com o trabalho humanizado de vocês. A baixo auto estima é uma das fontes da minhas ansiedades e lidar com isso em micro passos tem dado um significado para minha vida. Obrigada por não desistirem de nós.

A metodologia da Eurekka preenche abismos entre psicólogos, e leigos sedentes por qualidade de vida, ótimo artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *