Os impactos da ansiedade infantil no processo ensino-aprendizagem

Equipe Eurekka

Se você clicou aqui, é possível que queira entender mais sobre situações que podem interferir no processo ensino-aprendizagem de crianças. Muito se fala sobre ansiedade em adultos, mas pouco se fala sobre os transtornos de ansiedade infantil, apesar de esse ser um problema grave.

Além das questões gerais da ansiedade, como: dificuldade em desenvolver relações com familiares e amigos e problemas na sua organização diária, a criança também pode sofrer impactos no processo de aprendizagem. 

Por isso, produzimos este material! Para ajudar você a entender, identificar e saber como apoiar a criança, caso você identifique nela sintomas ansiosos. Então, continue com a gente e aprenda a lidar de vez com a ansiedade infantil.

O que é ansiedade infantil?

Antes de tudo, é importante pontuar que a ansiedade é um sentimento natural de sobrevivência! É ela que nos mantém atentos e nos alerta sobre uma situação de perigo. Mas, se ela começa a afetar nossa vida de forma negativa, aí sim devemos nos preocupar. 

Em geral, a ansiedade em crianças está relacionada à questões do imaginário ou que não sejam tão racionais. À medida que elas crescem, é esperado que esses medos se tornem mais realistas e relacionados ao dia a dia. 

Ou seja, em crianças de até três anos, é comum questões como: medo de escuro, de ficar sozinha, de palhaços. Entre os três e cinco anos, os medos podem ser relacionados a monstros, fantasmas, escuro, chuva. Logo, percebemos essa mudança no padrão de situações que geram ansiedade.

Por exemplo, uma questão comum nesses primeiros anos escolares pode ser a ansiedade de separação. Quando a criança fica na escola e precisa dar tchau para os pais, é esperado que ela chore ou não lide bem com essa situação de início. 

Mas, para algumas crianças, essa ansiedade em estar longe dos pais está relacionada ao medo que elas têm de que os cuidadores morram, sofram algum acidente ou fiquem doentes.

Dessa forma, podemos imaginar que esses pensamentos geram um sofrimento além do esperado para a idade, pois essas não deveriam ser preocupações dos pequenos. 

Sendo assim, vamos trazer os principais sintomas da ansiedade infantil para que você possa saber mais sobre o assunto, e, se necessário, buscar ajuda! 

Principais sintomas

Crianças nem sempre sabem dizer como estão se sentindo. Por isso, é vital prestar atenção à forma que eles agem. Como já citamos, a ansiedade é uma resposta natural e esperada do corpo, é ela que nos prepara para fugir, reconhecer e até antecipar um perigo.  

Mas, quando ela começa a surgir com muita intensidade e atrapalha a rotina, devemos prestar atenção! A ansiedade pode ser tanta que impede a criança de realizar atividades que ela gosta.

Além disso, esses transtornos de ansiedade podem persistir até a fase adulta se não forem tratados. E a seguir, vamos trazer uma lista com os principais sintomas de ansiedade na infância:

Afastamento de amigos e família

  • Dores de cabeça;
  • dores de barriga;
  • muito ou pouco sono;
  • irritabilidade;
  • medo sem motivo aparente;
  • preocupação excessiva.

menino dormindo na escola com ansiedade infantil

Qual a relação da ansiedade infantil com o processo de alfabetização

Como já sabemos, a ansiedade em níveis normais é importante e deixa a pessoa em estado de alerta. Mas, se formos pensar: enquanto nossa mente está ocupada prestando atenção em coisas que podem ser perigosas, ela deixa de prestar atenção em outras situações.

E, reforçando: nem sempre essa situação de perigo que o cérebro percebe é real. Sendo assim, a criança pode estar tendo dificuldades de prestar atenção no que ocorre à sua volta porque está concentrada em questões relacionadas ao futuro ou ao passado

É nesse momento que entra a relação entre a ansiedade nas crianças e o processo de aprendizagem! A criança pode acabar, por conta disso, com dificuldades de prestar atenção nos conteúdos que o professor está ensinando. 

Além disso, a mente ansiosa também pode gerar uma redução na capacidade de memória. Essa situação atrapalha a criança no momento de ter novos aprendizados e conseguir relacioná-los com coisas que aprendeu antes.

É comum o relato infantil de ter uma sensação de “branco na mente” e não conseguir lembrar de certas informações em momentos de estresse. E isso pode ter grande impacto na atenção e foco no ambiente escolar. 

Como a escola pode atuar?

As crianças passam grande parte do seu tempo na escola, logo, é importante que esse local esteja preparado para avaliar essas situações. Sendo assim, quando a escola percebe que a criança está tendo dificuldades, é vital que façam uma avaliação com mais atenção.

Dessa forma, é importante que a escola seja preparada e tenha psicopedagogos atuando. A psicopedagogia é a área da psicologia responsável por auxiliar no processo pedagógico, de aprendizagem e nas dificuldades que surgem nessa fase. 

Através de jogos, brincadeiras e atividades, esse profissional poderá identificar possíveis problemas e motivos para que a criança esteja se sentindo mais ansiosa. 

Além disso, é útil pensarmos que a mente da criança é muito fértil, e que, de maneira geral, os pensamentos ansiosos delas estão muito no imaginário. Dessa forma, cabe à escola encontrar uma maneira de ouvir e entender o que têm gerado esses medos para poder conversar sobre o assunto. 

Por fim, entrar em contato com a família é vital. É preciso que ocorra diálogo entre esses dois ambientes, já que é neles que a criança passa quase todo o seu tempo. Também, é válido que a escola ensine os pais sobre os sinais e sintomas de ansiedade, para que eles observem isso em casa.

mãe conversando com a filha

Como os pais podem atuar?

Primeiro, os pais devem conversar com a criança e deixar claro que entendem os medos e frustrações do filho, sem invalidar o que estão sentindo dizendo: “não precisa ter medo disso”, “que bobagem”, “você já é grandinho para ter medo dessas coisas”. 

A criança precisa sentir que está em um ambiente seguro para que consiga se expor e contar o que está pensando! Os adultos são as pessoas que têm capacidade de ajudar e dar recursos para que eles lidem com isso da melhor forma. 

Além disso, vale para os pais pensarem sobre seus próprios modos de agir. As crianças aprendem muito observando outras pessoas, logo, é preciso entender se os cuidadores estão ansiosos e ensinando isso aos pequenos de alguma forma. 

Por fim, em relação à família e o processo de ensino-aprendizagem: ambientes muito rígidos, com muitas cobranças e críticas, podem interferir na forma como a criança se desenvolve e fazer com que ela se cobre muito. O medo que elas sentem de decepcionar os pais pode gerar uma preocupação excessiva.  

Quando a família deve procurar ajuda psicológica?

De maneira geral, qualquer dificuldade que interfira no processo de ensino-aprendizagem deve receber uma atenção especial de um profissional da saúde mental através da terapia. Pois, em alguns momentos, o diálogo entre os pais e a escola não será suficiente para solucionar o problema.

Dessa forma, a ajuda de um psicólogo clínico pode ser essencial. O profissional terá ferramentas para ajudar a criança nesse processo de entender e lidar com os seus medos, além de instruir os pais e a escola da melhor forma possível. 

Portanto, cabe aos cuidadores perceberem os sintomas físicos e emocionais, que descrevemos antes, associados à uma dificuldade na escola. Observar a maneira que a criança lida com as situações é o principal! 

De maneira geral, uma busca por ajuda psicológica se mostra essencial em dois momentos: quando a criança não melhora, apesar da intervenção escolar e dos pais, ou quando os cuidadores percebem que seus próprios comportamentos ansiosos podem estar mantendo a criança naquela situação.

banner terapia

Traumas que decorrem da ansiedade infantil na escola 

Como falamos, sintomas de ansiedade infantil podem afetar de forma direta o processo de ensino-aprendizagem na escola. Logo, se a criança tiver dificuldades de aprender em sala de aula e acompanhar seus colegas, é possível que ela fique com uma baixa autoestima e se sinta inferior. 

A infância, de maneira geral, é um momento em que construímos nossa identidade e nossa forma de entender o mundo. Assim, se a criança estiver sempre ansiosa e sem receber apoio, pode generalizar esse sentimento para o restante de suas experiências. 

É comum vermos jovens, e até adultos, que se sentem incapazes de aprender coisas novas por terem tido experiências ruins na infância e não receberem o surporte adequado. 

Por isso, não hesite em buscar ajuda para os pequenos! Eles dependem de você para perceber quando algo não está indo bem. E, mais importante: sempre é possível ajudar.

sede da Eurekka

Trate a ansiedade infantil com a Eurekka

Como falamos acima, se você percebeu sinais de ansiedade em uma criança, é vital que você procure ajuda já. Pois, quanto antes esse problema for tratado, menores serão os danos causados por essa situação.

Então, se você quer receber essa ajuda, a Eurekka está aqui para guiar você! Nós somos a maior rede de psicoterapia do Brasil e temos uma equipe de psicólogos experientes e selecionados. Assim, você pode ter certeza que estará em boas mãos!

Clique aqui embaixo e marque uma conversa inicial com um de nossos terapeutas!

E para mais conteúdos gratuitos, nos siga nas nossas redes sociais: Instagram, Youtube e Facebook.

🥰 Este artigo te ajudou?

0 / 5 0

Equipe Eurekka

Leave a Reply

Your email address will not be published.